Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Como lidar com a tristeza de final de ano

As comemorações de Natal e Ano Novo podem ser extremamente difíceis para algumas pessoas. Mas é possível superar e ter uma experiência agradável

Por Da redação
Atualizado em 24 dez 2019, 11h00 - Publicado em 24 dez 2019, 10h00

O ano está chegando ao fim e com isso aproxima-se as datas comemorativas de Natal e Ano Novo. Entretanto, o que é motivo de festa e alegria para alguns, pode ser sinônimo de tristeza para outros. Se você é uma pessoa que fica triste nessa época do ano, não precisa se sentir culpado e muito menos um estranho no ninho. Você não está sozinho. Aliás, a melancolia ou depressão de fim de ano é bastante comum e nada recente.

Em 1985 o jornal americano The New York Times já falava sobre o assunto: “Esse tipo de depressão, causada por expectativas irreais, ocorre frequentemente durante os feriados. […] Essas datas feriados costumam criar situações que levam as pessoas a sentirem-se tristes.”

Muitos fatores contribuem para o sentimento de tristeza nessa época do ano. Eles incluem: fadiga, expectativas irrealistas, decepções do ano anterior, excesso de comercialização, estresse financeiro, incapacidade de estar com a família e os amigos e memórias de outras festas, vividas na companhia de familiares ou amigos que se foram. Além disso, equilibrar as demandas de compras, festas e compromissos familiares pode contribuir para a sensação de estar sobrecarregado e aumentar a tensão.

Mas não se desespere. Nem tudo está perdido. Confira abaixo algumas dicas do psiquiatra Eduardo Tancredi, da rede de clínicas de atendimento eCare Life, que podem te ajudar a lidar melhor com esse momento.

Equilibre as emoções

A tristeza é um sentimento e precisa ser sentido. Reprimir emoções pode prolongar o estágio de melancolia muito mais do que você pensa. Por isso, se precisar ficar um tempo sozinho para entender o que está acontecendo, fique. Mas tenha em mente que deve ser um momento passageiro para reorganizar o que não está bem. Permita-se chorar se for preciso. Quando estiver com outras pessoas, converse, pergunte como andam as coisas, viva o momento e equilibre suas emoções.

Continua após a publicidade

Planeje o próximo ano apenas quando se sentir bem

Com o novo ano se aproximando, parece uma obrigação planeja-lo. Entretanto, isso não é uma regra. Algumas pessoas gostam de fazer dessa maneira, mas outras preferem pular essa etapa. Não se sinta pressionado a fazer sua lista de desejos nessa época. Faça em um momento mais tranquilo e quando estiver preparado. Não seja tão duro com você mesmo!

Adote hábitos de relaxamento

Se você acha que essa época do ano não está te fazendo bem, procure relaxar! Faça uma caminhada, escute uma música que você gosta, tome um banho demorado, durma bem e mantenha uma alimentação balanceada. Tudo isso ajuda seu corpo a liberar substâncias químicas que combatem a tristeza.

Continua após a publicidade

Ajude quem precisa

Uma coisa que faz bem para o ser humano é amparar o próximo. Nessa época, várias organizações e voluntários fazem campanhas para ajudar quem precisa de um final de ano mais feliz. Procure uma dessas ações e doe um pouco do seu tempo. Certamente, lhe fará muito bem!

Não se prenda ao passado

Lembrar o que aconteceu no decorrer do ano pode ser muito dolorido para algumas pessoas, principalmente para aquelas que sofreram algum trauma ou perda. Freud já dizia que o passado existe para ser superado. Portanto, use as datas comemorativas e o fim do ano para enterrar as mágoas, as dores e recomeçar uma nova fase. E lembre-se: um dia de cada vez!

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.