Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Cloroquina pode ser eficaz no tratamento de pacientes moderados

Um pequeno estudo mostrou que os pacientes que receberam o medicamento melhoraram mais rápido do que aqueles que não tomaram o medicamento

Por Da redação Atualizado em 2 abr 2020, 19h36 - Publicado em 2 abr 2020, 19h28

Um estudo preliminar realizado pelo Hospital Renmin da Universidade de Wuhan, na China mostrou que a hidroxicloroquina ajudou a acelerar a recuperação de um pequeno número de pacientes com sintomas moderados de coronavírus. De acordo com informações do jornal americano The New York Times, tosse, febre e pneumonia desapareceram mais rapidamente nesses pacientes em comparação com um grupo de comparação que não recebeu o medicamento.

O novo estudo, publicado na medRxiv, plataforma online que recebe artigos médicos antes de serem revisados e publicados em grandes periódicos científicos, avaliou 62 pacientes com idade média de 45 anos e sintomas moderados a infecção. Todos apresentavam tosse, febre e pneumonia diagnostica por tomografia. Os pacientes foram divididos em dois grupos: um recebeu o novo tratamento (grupo de intervenção) e o outro (grupo controle) apenas os cuidados usuais prestados aos pacientes com coronavírus.

O tratamento – com ou sem hidroxicloroquina – durou cinco dias. Os resultados mostraram que a tosse e a febre diminuíram um dia antes nos pacientes que receberam hidroxicloroquina. A pneumonia melhorou em 80% desses pacientes, contra 54,8% dos pacientes no grupo controle. Além disso, a doença se agravou em quatro pacientes do grupo controle e em nenhum do grupo que recebeu o medicamento. Dois pacientes tiveram efeitos colaterais leves causados pela hidroxicloroquina: um teve erupção cutânea e outro teve dor de cabeça.

As descobertas corroboram com estudos anteriores que sugerem a eficácia do tratamento no combate à doença. No entanto, os autores alertam que são necessárias mais pesquisas para esclarecer como ele poderia funcionar no tratamento da Covid-19 e determinar a melhor maneira de usá-lo.

Ainda não se sabe de que forma a hidroxicloroquina atua no corpo para melhorar a infecção por coronavírus. Existem duas hipóteses: ela pode impedir o vírus de invadir as células ou reduzir uma resposta exacerbada do sistema imunológico, razão pela qual ela é eficaz no tratamento de doenças autoimunes, como lúpus e artrite reumatoide. Além do próprio coronavírus, acredita-se que uma reação imune exagerada do organismo possa ser uma das causas do agravamento da doença.

Vale ressaltar que os pacientes desse estudo foram selecionados aleatoriamente para um dos grupos (intervenção ou controle), mas todos haviam sido pré-selecionados para excluir pessoas com problemas médicos que poderiam ser agravados pela hidroxicloroquina, como problemas cardíacos anormais, doenças oculares e problemas renais ou hepáticos.

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês