Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Ciclo menstrual irregular pode reduzir tempo de vida, diz estudo

Pesquisa mostrou que ciclos irregulares estão associados a um aumento no risco de morte prematura, em comparação com ciclos regulares de 26 a 31 dias

Por Da Redação Atualizado em 13 out 2020, 19h14 - Publicado em 13 out 2020, 13h10

Ciclos menstruais irregulares podem estar associados à morte prematura. De acordo com um estudo publicado recentemente no BMJ, em comparação com mulheres com períodos regulares de duração média de 26 a 31 dias, aquelas com ciclos irregulares ou mais longos corriam um risco maior de morte precoce.

ASSINE VEJA

O novo perfil que Bolsonaro quer para o STF Leia nesta edição: os planos do presidente para o Supremo. E mais: as profundas transformações provocadas no cotidiano pela pandemia
Clique e Assine

Os pesquisadores acompanharam 79.505 mulheres que participaram de um grande estudo de saúde de longo prazo. Todas relataram a duração e a regularidade de seus ciclos em diferentes períodos da vida – 14 a 17 anos, 18 a 22 anos e 29 a 46 anos. No início, nenhuma tinha histórico de doenças cardiovasculares, câncer ou diabetes.

LEIA TAMBÉM: Menstruação: interromper ou não?

Ao longo de 24 anos de acompanhamento, 1.975 participantes morreram antes dos 70 anos de idade, incluindo 894 de câncer e 172 de doenças cardiovasculares. Os resultados mostraram que aquelas com ciclos irregulares ou mais longos do que 31 dias apresentaram maior probabilidade de morrer precocemente, em comparação com as mulheres com períodos regulares de duração média de 26 a 31 dias.

Continua após a publicidade

Aquelas que tiveram períodos irregulares entre 18 e 22 anos tiveram um risco 37% maior de mortalidade precoce e aquelas com ciclos de pelo menos 40 dias tiveram um risco 34% maior. A associação permaneceu mesmo após serem considerados fatores como dieta, exercício físico, ansiedade, depressão e idade na menarca ou menopausa.

De acordo com os pesquisadores, a associação entre ciclos menstruais longos e irregulares e aumento do risco de morte prematura são provavelmente devido a interrupções hormonais. No entanto, vale ressaltar que o estudo não comprovou uma relação de causa e consequência e apenas fez uma observação.

Ciclos menstruais irregulares e longos são comuns entre mulheres em idade reprodutiva e têm sido associados a um risco maior de doenças crônicas, incluindo câncer de ovário, doenças cardíacas, diabetes tipo 2 e problemas de saúde mental.

As descobertas sugerem que o ciclo menstrual de uma mulher deve ser considerado um importante sinal de saúde geral durante os anos de gravidez, disseram os pesquisadores em um comunicado à imprensa. Eles eram liderados por Jorge Chavarro, da Harvard T.H. Escola Chan de Saúde Pública em Boston.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)