Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

A estatina não faz efeito? O problema pode estar em suas artérias

De acordo com estudo, pessoas que não apresentam redução no nível de colesterol LDL com o uso do remédio têm mais artérias bloqueadas

Por Da Redação 27 fev 2015, 09h20

Toma estatina e, mesmo assim, o nível de colesterol LDL não cai? Você pode ter mais artérias bloqueadas do que aquelas pessoas que respondem ao medicamento. Essa foi a constatação de uma pesquisa publicada nesta quinta-feira no periódico Arteriosclerosis, Thrombosis and Vascular Biology.

O colesterol LDL é considerado “ruim” porque, em altas taxas, contribui para a formação de placas de gordura na parede das artérias, condição chamada de aterosclerose. Esse estado dificulta a circulação sanguínea e pode levar à formação de coágulos, causando problemas como derrame e infarto. Para alguns pacientes, seguir uma dieta saudável, praticar atividade física, evitar o cigarro e manter um peso normal são medidas suficientes para controlar os níveis de colesterol. Outras pessoas, no entanto, precisam completar o tratamento com uso de estatina.

Leia também:

Estatina reduz o risco de morte por câncer, diz estudo

Estatina não causa problemas de memória, diz estudo

Continua após a publicidade

Pesquisa – Os pesquisadores revisaram dados de sete estudos clínicos que compararam a saúde das artérias de indivíduos antes e depois do tratamento com estatina. As pesquisas duraram de 18 a 24 meses e incluíram 647 pessoas que foram diagnosticadas com doença arterial coronária e tomavam estatina.

Em 20% dos voluntários, o remédio não fez efeito e as taxas de colesterol aumentaram. Essas pessoas tinham mais acúmulo de placas de gordura nas artérias do que aquelas que responderam à terapia com droga.

“Para diminuir o risco de doenças cardiovasculares, é essencial monitorar os níveis de LDL em pacientes que têm alguma doença no coração ou que estejam se tratando com estatina”, afirma Stephen Nicholls, professor da Universidade de Adelaide, na Austrália, e principal autor do estudo.

(Da redação de VEJA.com)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês