Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

SPTrans anuncia troca de 15 milhões de bilhetes únicos

Prefeitura afirma que bilhetes estejam sendo carregados de maneira fraudulenta. Trocas deverão acontecer "com tempo" para evitar filas e transtornos

Por Da redação
17 fev 2017, 09h01

O secretário municipal de Transportes, Sérgio Avelleda, anunciou nesta quinta-feira, durante reunião do Conselho Municipal de Trânsito e Transporte, que todos os cartões de bilhetes únicos em poder dos usuários de ônibus, trens e metrô terão de ser trocados por cartões novos.

Ele estima que a troca comece ainda neste ano, após maio, mas garante que o processo será feito “com tempo” para evitar filas e tumultos em postos de atendimento. A estimativa é que a cidade tenha 15 milhões de bilhetes ativos (usados no último ano), mas o total de bilhetes emitidos até hoje, e que podem ter créditos, é da ordem de 30 milhões, ainda de acordo com o secretário.

O motivo é a constatação de que os códigos de segurança dos cartões foram quebrados e que golpistas estão fazendo recargas clandestinas nos cartões. A troca dos bilhetes é para combater as fraudes no sistema.

O secretário explicou que a Prefeitura já havia adquirido, no ano passado, um novo software para administrar o comércio de créditos do bilhete único, mas que o processo de instalação e de testes está atrasado e deve ficar pronto em maio. Quando os sistemas estiverem com sinal verde, terá início a etapa de troca dos cartões, por um modelo com códigos de segurança mais fortes.

“Toda a plataforma tecnológica será trocada por outra. O que a gente pode assegurar é que não haverá uma troca no curto prazo a ponto de gerar filas intermináveis e causar transtorno à população. Isso será ao longo do tempo. A estratégia vai ser elaborada mais para a frente. O software só chega em maio e provavelmente vai ter um período de testes longo”.

Continua após a publicidade

Os técnicos da SPTrans ainda não conseguem estimar o total de valores desviados por meio das fraudes no sistema, que é bilionário – pelo bilhete único, circulam cerca de 18 bilhões de reais por ano. Embora já haja comprovações de que é possível recarregar o cartão com créditos que não vieram da SPTrans, a equipe da Prefeitura não tem como saber, apenas avaliando o sistema, quais os cartões carregados ilegalmente.

A equipe também não consegue responder se, da mesma forma que os clandestinos conseguem criar créditos fantasmas, a série de empresas que trabalham com a venda de créditos também conseguem fazer operações ilegais – carregar bilhetes sem repassar valores à empresa.

Concessão

A troca dos cartões foi divulgada enquanto o prefeito João Doria (PSDB) estava no Oriente Médio, buscando atrair investidores, e colocando a concessão do bilhete único como um dos possíveis negócios. Doria anunciou o banco de dados do bilhete único e a possibilidade de vendas cruzadas.

Continua após a publicidade

O secretário de Desestatização, Wilson Poit, disse na semana passada que a concessão do bilhete teria os bancos como possíveis interessados, primeiro porque os cartões poderiam ampliar a base de clientes das instituições. Segundo que, assim como marcas de roupas, os cartões de ônibus poderiam ter agregados a eles bandeiras de cartões de crédito, por exemplo, e serem usados no comércio regular.

Segundo Avelleda, “se assinarmos o contrato de concessão, a responsabilidade da troca dos cartões será da concessionária”. O secretário afirmou que o investimento na reformulação do sistema já vinha acontecendo, assim ele não vê razão para suspender a ação por causa da possível privatização.

“Encontramos um contrato em execução e praticamente concluído. Não tem porque desprezar todo o investimento feito e não concluir. O concessionário vai decidir se fica com a plataforma nova ou se substitui. Ele poderá encontrar uma plataforma atualizada tecnologicamente e aí avançar”, disse.

“A licitação para a concessão do bilhete está na fase de estudos. Vamos ter audiência pública. Tem um edital muito complexo para ser publicado, não é uma coisa que se faça de uma semana para outra. Estamos trabalhando para atualizar o sistema e o concessionário ou recebe esse sistema atualizado e faz a troca (de cartões) ou já encontra com os cartões trocados e decide se fica com essa tecnologia ou se atualiza”, concluiu. As falhas do bilhete único, que permitem a recarga fraudulenta, são conhecidas pelo menos desde 2012.

Continua após a publicidade

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.