Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Sergio Moro planeja disputar a Presidência e já monta equipe de campanha

O ex-juiz da Lava-Jato, que anuncia sua filiação ao Podemos na quarta 10, elege Bolsonaro como o principal adversário

Por Laryssa Borges, Rafael Moraes Moura Atualizado em 5 nov 2021, 10h12 - Publicado em 5 nov 2021, 06h00

“Quero apresentar um projeto para a reconstrução do país.”
Sergio Moro, ao comentar a decisão de disputar as eleições do ano que vem

Desde que deixou o governo Bolsonaro, em abril de 2020, a possibilidade de Sergio Moro disputar a próxima eleição presidencial sempre esteve no radar. O ex-juiz, no entanto, desconversava quando ousavam tocar no assunto. Certa vez, ainda como ministro da Justiça, alguém perguntou qual era a possibilidade de ele abraçar a carreira política. “Off do off?”, indagou, lançando mão de um jargão usado por quem pretende passar uma informação relevante de maneira reservada. Pode até ser que, naquele instante, Moro tenha pensado em confidenciar seus planos mais secretos. Mas, se foi isso, desistiu rápido: “Essa eu vou ficar devendo”, disse. Ou seja, não revelou absolutamente nada. Estilo de quem ainda se prende a determinados formalismos típicos da magistratura ou simplesmente uma maneira de escapar de um tema espinhoso? Provavelmente as duas coisas. Hoje, se questionado de novo, a resposta continuará sendo evasiva. A decisão, porém, está tomada.

Moro pretende se candidatar a presidente da República no ano que vem. Ele já comunicou isso aos líderes do Podemos, está montando equipe, tem o esboço do slogan que pretende adotar na campanha, rascunha propostas de governo, autorizou conversas sobre alianças, reúne-se com empresários e economistas e escolheu até quem será seu principal adversário no primeiro turno: o presidente Jair Bolsonaro. Para o ex-ministro, o confronto com o ex-chefe é inevitável. “Quero apresentar um projeto para a reconstrução do país”, disse ele na última terça-feira, antes de desembarcar em Brasília, onde acertou os últimos preparativos para o anúncio oficial de sua pré-candidatura, marcado para acontecer na próxima quarta-feira, 10, no evento da filiação dele ao Podemos. O partido quer transformar a solenidade num mega-acontecimento político. A onze meses das eleições, Moro será o 14º postulante a anunciar a intenção de concorrer em 2022 — mas o único, por enquanto, com possibilidade de alterar o cenário de polarização entre Bolsonaro e o ex-presidente Lula.

TRAIÇÃO - Moro com Bolsonaro: o ex-ministro da Justiça deixou o governo acusando o presidente -
TRAIÇÃO - Moro com Bolsonaro: o ex-ministro da Justiça deixou o governo acusando o presidente – Rodolfo Buhrer/Fotoarena/.

As pesquisas mostram uma ampla vantagem de Lula e Jair Bolsonaro. As mesmas sondagens revelam, no entanto, que há espaço de sobra para a construção de uma candidatura competitiva da terceira via, já que uma fatia de 25% a 30% do eleitorado não quer nem a vitória do petista nem a do atual presidente. Até aqui, os nomes testados para romper a polarização não aproveitaram essa janela. O ex-ministro Ciro Gomes é o único que atinge dois dígitos de intenções de voto, mas, devido ao seu temperamento oscilante, nunca passou disso nas eleições anteriores (na semana passada, em mais um arroubo, chegou a suspender sua pré-candidatura). Na largada, a potencial candidatura de Moro nasce empatada com a de Ciro na terceira posição, uma condição inicial mais favorável do que a dos demais postulantes, a maioria deles com menos de 5%. O desafio do ex-juiz será convencer o eleitor de que ele é o único que reúne condições de fazer o que nenhum outro fez até agora: atrair aqueles que não querem nem Lula nem Bolsonaro. A estratégia inicial para alcançar esse objetivo já foi definida pela equipe de Moro.

CORRUPÇÃO - Moro com Lula: o juiz condenou o petista a treze anos de prisão -
CORRUPÇÃO - Moro com Lula: o juiz condenou o petista a treze anos de prisão – ./Reprodução

No rascunho do discurso redigido para a solenidade de filiação, os assessores do ex-ministro sugeriram que ele incorporasse um dos motes de sua futura campanha: “O Brasil não pode voltar ao passado”. A mensagem tem o ex-presidente Lula como destinatário direto, mas, de certa forma, também mira Jair Bolsonaro, com quem ele imagina que disputará a segunda vaga para o segundo turno, já que a primeira estaria assegurada, de acordo com ele, ao candidato petista. “Moro será uma opção de respeito e união nacional, buscará romper a polarização e trazer o Brasil de volta para o caminho da convivência entre as pessoas e as instituições”, diz o general Carlos Alberto dos Santos Cruz, também ex-ministro do governo Bolsonaro e agora um dos conselheiros do ex-juiz.

DECEPÇÃO - Moro com Doria: suspeita de que o governador espalhou rumores -
DECEPÇÃO - Moro com Doria: suspeita de que o governador espalhou rumores – Aloisio Mauricio/Fotoarena/.

Ao contrário de boa parte dos pré-­candidatos que pretendem representar a terceira via na próxima eleição, Sergio Moro já é conhecido nacionalmente, fruto de sua atuação à frente da Operação Lava-Jato. A questão é que esse “trunfo” hoje mais atrapalha do que ajuda. Segundo pesquisas recentes, ele ostenta um alto nível de rejeição, o que representa, por enquanto, um dos principais obstáculos ao projeto. Eleitores da esquerda repudiam Moro por entender que ele atuou de maneira parcial como juiz. Já o núcleo duro de apoio a Bolsonaro considera o ex-ministro um traidor porque ele deixou o governo acusando o antigo chefe de interferir de forma indevida na Polícia Federal.

Na última quarta-feira, 3, o potencial candidato teve um pequeno exemplo do que tende a ser rotina a partir de agora. Ao desembarcar no aeroporto de Brasília, ele foi hostilizado por manifestantes ligados a sindicatos controlados pelo PT. “Juiz ladrão, juiz vendido. Você é um lixo”, gritaram os mais exaltados. Moro não esboçou reação. O desafio dele será não apenas resistir aos ataques como elaborar uma forma de usá-los como vantagem. Entusiastas de sua candidatura costumam dizer que petistas e bolsonaristas, ao fustigá-lo, facilitarão o trabalho para conquistar os eleitores que não querem nem a vitória de Lula nem a de Bolsonaro. Há, porém, vários problemas nesse raciocínio. Entre eles, o fato de estar calcado apenas no ódio a este ou aquele candidato, enquanto as pesquisas mostram que a maioria do eleitorado, justamente a turma do centro, está preocupada com o futuro — e mais precisamente com temas como inflação e desemprego, com os quais Moro não tem muita familiaridade.

Ao contrário do que aconteceu em 2018, o consenso entre os especialistas é de que a questão econômica vai dominar o debate político. Não à toa, outros presidenciáveis de centro se dedicam há meses a tratar do tema e já têm gente grande do PIB trabalhando por eles e por seus respectivos programas econômicos. O ex-juiz, até aqui, jamais falou publicamente sobre suas ideias nessa área. Nos bastidores, ele se define como liberal e diz defender as reformas estruturais. Para se aprimorar nesses temas, Moro tem conversado com economistas de peso, como Persio Arida e Affonso Pastore, ambos ex-presidentes do Banco Central. O objetivo é consolidar, antes do fim do ano, algumas propostas que considera fundamentais, como, por exemplo, um amplo programa de privatização de áreas que não estejam ligadas à educação, saúde e segurança pública. É um caminho para vencer a desconfiança do setor empresarial, que ainda enxerga no potencial candidato os traços do juiz implacável que destruiu várias empresas de grande porte.

De maneira geral, a classe política também rejeita o ex-juiz, acusado de criminalizar a atividade partidária. A maioria das legendas já tem planos para 2022 — e eles não passam por uma composição com o Podemos. Apesar de aparecer com menos intenções de voto do que Moro nas pesquisas, presidenciáveis como Eduardo Leite (PSDB) e Rodrigo Pacheco (PSD) têm mais estrutura para fazer campanha e divulgar suas ideias. Além disso, enfrentam uma rejeição bem menor — entre outros motivos, porque são desconhecidos do grande público. Ou seja: além de competir pelos votos à direita com Bolsonaro, o ex-juiz terá de enfrentar uma dura concorrência dentro da terceira via, numa disputa em que ele, levando em consideração as condições atuais, iniciará em desvantagem.

PREFERIDA - Tebet: se dependesse de Moro, ela seria a candidata a vice de sua chapa -
PREFERIDA - Tebet: se dependesse de Moro, ela seria a candidata a vice de sua chapa – Leopoldo Silva/Agência Senado

“O discurso de Moro não é capaz de empolgar as massas. Ele provavelmente vai ter de encampar a velha pregação antipolítica, de que combateu a corrupção e quer mudar o sistema”, prevê o cientista político Renato Perissinotto, da Universidade Federal do Paraná. Pesquisas qualitativas do Podemos mostram que o ex-juiz nem precisa explorar os resultados da Lava-­Jato como investimento eleitoral. Ele necessita, na verdade, é se afastar da imagem de homem de uma nota só e tornar públicas propostas econômicas para enfrentar a crise. Evidentemente, não será uma tarefa fácil. A inexperiência política e a aversão que desperta em determinados setores são entraves reais. Outros obstáculos são a sisudez e a falta de carisma e de boa oratória. Nesse campo pessoal seus assessores dizem que a solução encontrada será explorar a imagem carrancuda de Moro como sinônimo de seriedade. Já a falta de jogo de cintura e a retórica rebuscada estão sendo trabalhadas em longas sessões de fonoaudiologia e de media training.

Driblar as dificuldades no campo político será um trabalho ainda mais complicado. O ex-juiz comentou recentemente que gostaria de ter a senadora Simone Tebet (MDB-MS) como vice na sua chapa, mas no MDB há poucos (quase ninguém) que defendem essa aliança. Na verdade, a terceira via está bastante fragmentada e, evidentemente, cada um joga por si. Até aqui, Sergio Moro, o ex-ministro Luiz Henrique Mandetta (DEM) e o governador de São Paulo, João Doria (PSDB) — todos presidenciáveis —, continuam jurando que existe um acordo entre eles para que os dois com pior desempenho nas pesquisas abram mão da disputa em favor daquele que estiver mais bem colocado. Em um encontro recente, Doria disse ao ex-­juiz que ele seria imbatível caso optasse por disputar uma vaga no Senado. A hipótese, segundo Moro, nunca foi considerada, mas, de repente, começou a aparecer com frequência nos noticiários. Os aliados do ex-juiz viram no boato uma tentativa de sabotagem de sua candidatura presidencial e tiveram certeza de que era mesmo quando identificaram o autor da futrica: o próprio Doria. É muito fácil dizer que todos caminharão juntos lá na frente. A complexidade é definir quem abre mão de liderar o comboio.

CONSULTORES DE LARGADA
Sergio Moro tem ouvido especialistas de várias áreas para rascunhar as primeiras propostas que serão apresentadas na campanha

Continua após a publicidade

Persio Arida
Persio Arida – Antonio Milena/.

Persio Arida
O economista foi um os idealizadores do Plano Real. Já comandou o BNDES no governo Itamar Franco e o Banco Central no governo Fernando Henrique. Defensor de uma terceira via, tem conversado com alguns candidatos sobre a crise

Santos Cruz
Santos Cruz – ./Agência Brasil

Santos Cruz
O general foi ministro de Bolsonaro. Demitido, transformou-se num crítico feroz do governo e do presidente da República. Além de apoiador da candidatura do ex-juiz, é o principal interlocutor dele junto aos militares

Paulo Hartung
Paulo Hartung – Secom-ES/.

Paulo Hartung
O ex-governador do Espírito Santo é entusiasta de uma candidatura da chamada terceira via. Tem debatido ideias com Moro sobre inflação e segurança e o aconselhado a centrar a campanha em temas econômicos

Renata Abreu
Renata Abreu – @renataabreu/Instagram

Renata Abreu
Presidente do Podemos, a deputada coordena um restrito grupo a que o ex-juiz recorre antes de tomar decisões. Ela articula o apoio de partidos como DEM, PSL e Novo à candidatura e à formação de palanques regionais

Alvaro Dias
Alvaro Dias – Gilson Abreu/Ag. FIEP/.

Alvaro Dias
Entusiasta da candidatura de Sergio Moro há muito tempo, o senador planejava se lançar pela segunda vez à Presidência da República, mas sempre disse que abriria mão da ideia caso o ex-juiz topasse o desafio

Oriovisto Guimarães
Oriovisto Guimarães – ./Agência Senado

Oriovisto Guimarães
O senador paranaense tem articulado o apoio do setor produtivo à candidatura de Moro. Também vem organizando as reuniões em que economistas e cientistas políticos apresentam ideias para a plataforma de campanha

Fernando Vieira
Fernando Vieira – ./Agência Senado

Fernando Vieira
O marqueteiro coordena a comunicação, cuida da imagem do ex-juiz e se inspira na campanha de Alexandre Kalil à prefeitura de Belo Horizonte, que explorou a sisudez do candidato como sinônimo de seriedade e comprometimento

Cristiane Salles
Cristiane Salles – ./Agência Senado

Cristiane Salles
Responsável pelo relacionamento do pré-candidato com a imprensa, trabalhou na campanha de Alvaro Dias à Presidência da República em 2018 e integrou a equipe do ex-juiz no Ministério da Justiça

Publicado em VEJA de 10 de novembro de 2021, edição nº 2763

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)