Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

PGR cobra R$ 63,1 milhões de Marcelo Odebrecht em delação

Conforme Raquel Dodge, o valor é a diferença entre R$ 2,1 milhões já depositados pelo empreiteiro e R$ 65,2 milhões devidos por ele em pena de perdimento

Por João Pedroso de Campos Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 1 mar 2018, 21h19 - Publicado em 1 mar 2018, 17h14

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, enviou nesta quinta-feira (1º) ao Supremo Tribunal Federal (STF) uma manifestação em que pede que o empresário Marcelo Odebrecht deposite 63,1 milhões de reais na conta judicial vinculada ao acordo de delação premiada dele. Conforme o pedido de Dodge, submetido ao ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato no STF, o valor é a diferença entre 2,1 milhões de reais pagos pela Odebrecht em junho de 2017 e os 65,2 milhões de reais que ele deve.

De acordo com a PGR, o montante é referente à pena de perdimento prevista no acordo de delação e não está relacionado à multa de 73,3 milhões de reais imposta a Marcelo Odebrecht, já depositada por ele em 2017.

Para chegar ao valor de 65,2 milhões de reais a serem desembolsados pelo empreiteiro, a PGR se baseou em uma análise técnica da sua Secretaria de Perícias, Pesquisas e Análises, que levou em conta, entre outros elementos, depoimentos do próprio Marcelo. Ele contou ao Ministério Público Federal (MPF) que uma conta vinculada a ele a à sua esposa, Isabela, na Suíça, recebeu depósitos que totalizaram 70,5 milhões de reais entre 2006 e 2015.

Continua após a publicidade

No documento enviado ao Supremo, a PGR também rebateu argumentos e cálculos apresentados pela defesa de Marcelo Odebrecht. Os advogados do empresário alegavam que, como ele é dono de 50% da empresa titular da conta bancária, deveria depositar apenas metade do valor, preservando a parte de sua mulher no montante.

Dodge ponderou ao STF que devem ser descontados do valor a ser pago apenas multas e impostos recolhidos por Marcelo ao repatriar os ativos da Suíça.

Filho de Emílio Odebrecht e herdeiro do grupo que leva o nome da família, Marcelo Odebrecht é um dos 77 executivos da empresa que fecharam acordo de delação premiada com a PGR. Condenado a 28 anos e seis meses de prisão em dois processos da Lava Jato em Curitiba, o empreiteiro ficou dois anos e meio preso na capital paranaense e deixou a cadeia em 19 de dezembro de 2017, como parte de seu acordo de colaboração. Desde então, ele cumpre prisão domiciliar em São Paulo e está proibido de trabalhar nas empresas da família.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.