Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Para Maia, nova denúncia contra Temer não afeta atuação da Câmara

Presidente da República em exercício disse que a Casa seguirá ritmo normal caso Rodrigo Janot apresente uma nova acusação contra o peemedebista

Por Da Redação
Atualizado em 30 ago 2017, 21h00 - Publicado em 30 ago 2017, 14h42

O presidente da República em exercício, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou nesta quarta-feira que a Câmara dos Deputados manterá o ritmo normal de trabalho caso o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, decida denunciar o presidente Michel Temer (PMDB) pela segunda vez. Maia, que preside a Câmara, está substituindo Temer, que viajou para a China.

Segundo ele, a apresentação de outra acusação – também baseada nas delações da JBS – não afetará os trabalhos da Câmara. “Chegando a segunda denúncia, ela vai para o rito normal, primeiro na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), e a Câmara tenta continuar o seu trabalho no plenário para que uma coisa não atrapalhe a outra.”

Mais disse que, enquanto a denúncia estiver na comissão, “certamente, o plenário vai continuar trabalhando e tentando pautar as matérias que são relevantes para o Brasil, que a gente tem tentado fazer”.

Ao ser questionado se hoje a base de Temer na Câmara encolheu em relação àquela que conseguiu barrar a primeira denúncia por corrupção passiva por 263 votos, Maia disse não saber e afirmou que o líder do governo na Câmara, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), é quem deveria responder. “O Aguinaldo parece que vem aqui”, brincou. Ele evitou comentar se o presidente tem um capital político menor para barrar a segunda denúncia. “Não posso falar sobre isso.”

Continua após a publicidade

Amazônia

Maia também disse que temas envolvendo a Amazônia são sensíveis, polêmicos e devem ser tratados com cautela. A afirmação foi feita a jornalistas que o questionaram sobre os decretos do presidente  que determinaram a extinção da Reserva Nacional de Cobre (Renca).

Segundo ele, o ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho (PSB), deu as explicações e garantiu que não há mudança na legislação ambiental. “Espero e foi o que ele [ministro] disse, que não existe nenhum tipo de prejuízo na questão ambiental”, afirmou Maia, após participação em evento com a Frente Nacional dos Prefeitos, em um hotel de Brasília.

Continua após a publicidade

A Justiça Federal acolheu parcialmente, nesta quarta-feira, liminar em ação popular para suspender imediatamente “todo e qualquer ato administrativo tendente a extinguir” a Renca.

A ação foi proposta por Antônio Carlos Fernandes contra Temer e a União, questionando o ato administrativo que extinguiu a Renca, localizada na divisa entre o Sul e Sudoeste do Amapá com o Noroeste do Pará. O juiz Rolando Valcir Spanholo, que proferiu a decisão, disse que a extinção da reserva só é possível mediante o envio de projeto de lei ao Congresso.

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.