Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

O time de André Mendonça no STF

Gabinete do magistrado é o que reúne mais servidores de carreira da AGU. Com mesmas iniciais de Alexandre de Moraes, ministro vai usar a sigla “ALM”

Por Rafael Moraes Moura Atualizado em 10 jan 2022, 08h48 - Publicado em 9 jan 2022, 12h00

Por enquanto, o espaço de quase 400 metros quadrados está praticamente vazio, com computadores desligados, quadros aguardando serem pendurados na parede e um dispensador de álcool em gel na entrada do gabinete, que já conta com a placa que identifica o ocupante dali, que acabou de chegar: “ministro André Mendonça”. O novo integrante do Supremo Tribunal Federal (STF), empossado no mês passado, vai fazer sua estreia em julgamentos em fevereiro, com a abertura do Ano Judiciário, mas já começou a montar a sua equipe de auxiliares que vão assessorá-lo no dia a dia de atividades do tribunal. O time de Mendonça no STF conta com cinco servidores de carreira da Advocacia-Geral da União (AGU) que trabalharam com o chefe na época em que ele comandou o órgão durante o governo do presidente Jair Bolsonaro, responsável por sua indicação à Suprema Corte.

Mendonça é conhecido pelo estilo descentralizador, que delega funções e cultiva boas relações com os subordinados. O chefe de gabinete do ministro será o advogado da União Rodrigo Hauer, que desempenhou a mesma função quando o pastor presbiteriano chefiou a AGU e comandou o Ministério da Justiça e Segurança Pública. A assessora especial Aline Cardoso, o procurador federal Vitor Cordula e o advogado da União Renato Dantas de Araújo também deixaram o órgão para compor a equipe do magistrado. O ex-secretário executivo do Ministério da Justiça Tercio Issami Takano reforça o time. Todos são nomes de confiança do novo ministro do Supremo.

Os ministros Dias Toffoli e Gilmar Mendes, que comandaram a AGU respectivamente nos governos dos ex-presidentes  Lula e Fernando Henrique Cardoso, também contam com servidores de carreira do órgão nos gabinetes. Mesmo assim, chamou a atenção nos bastidores do Supremo a quantidade expressiva de ex-integrantes da AGU com Mendonça. Levantamento feito pela AGU a pedido de VEJA mostra que 14 servidores de carreira do órgão atuam no Supremo — o gabinete de Mendonça, com cinco nomes, lidera a lista. Os demais estão espalhados nos gabinetes do presidente do STF, Luiz Fux, da vice-presidente da Corte, Rosa Weber, e dos ministros Ricardo Lewandowski, Luís Roberto Barroso, Cármen Lúcia e Kassio Nunes Marques, além de Toffoli e Gilmar.

Por enquanto, a sala do novo ministro, no quinto andar de um dos anexos do STF, ainda está sendo organizada, mas já é possível notar do lado de fora o Troféu Dom Quixote de La Mancha, que premia os defensores da justiça e da paz social — Mendonça recebeu a honraria em 2019. O magistrado vai ser vizinho de andar de Rosa, cujo gabinete é conhecido como “Coreia do Norte” (devido ao clima hostil e avesso a qualquer contato com a imprensa), e de Alexandre de Moraes. Como as iniciais “AM” já são utilizadas para identificar o veterano Moraes em votos e e-mails internos (cada ministro possui a sua própria “abreviatura”), o recém-chegado decidiu adotar a sigla “ALM”. O nome completo dele, aliás, é André Luiz de Almeida Mendonça.

Continua após a publicidade

Publicidade