Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

O estado-empresa

Primeiro governador eleito pelo Partido Novo, o empresário Romeu Zema promete administrar Minas Gerais com as melhores práticas da iniciativa privada

O futuro governador de Minas Gerais, Romeu Zema, tem uma pressa e uma objetividade raras entre os políticos, embora comuns a quem fez fortuna no mundo empresarial. Ciente da responsabilidade de ser o primeiro governador eleito pelo Partido Novo, Zema, 54 anos, diz que é preciso levar o senso de urgência típico do setor privado para a administração pública. A população, por sua vez, será informada pelas redes sociais sobre as razões de eventuais fracassos. Segundo ele, entregar resultados como o corte de privilégios e cargos de indicação política é o primeiro passo para o sucesso na renegociação da dívida com a União. “Criou-­se no Brasil a imagem de que o governante tem de ser tratado como a rainha da Inglaterra”, afirma. Zema falou a VEJA em Belo Horizonte.

Qual é sua leitura do resultado das eleições? Visitei quase 200 cidades durante a campanha. Percorri 60 000 quilômetros de carro, boa parte deles eu mesmo dirigindo. Percebia o anseio por mudança. As pessoas me diziam: “Isso é tudo com que nós so­nhamos para a classe política”. Em resumo, que os políticos olhem para os interesses de quem os elegeu, em vez de só se preocuparem com privilégios e mordomias. Minha eleição e, de certa maneira, a do Jair Bolsonaro representam uma reforma política que os políticos não quiseram fazer. A população decidiu fazê-la pelo voto. Temos de rever a quantidade de deputados estaduais e federais. Há o voto distrital, que é necessário para melhorar a representatividade. Precisamos de eleições mais baratas. O eleitor quis dizer: “Prefiro arriscar no que eu não conheço a continuar errando como sempre errei”.

O Partido Novo tem três dos 77 deputados na Assembleia Legislativa. Como vai buscar apoio para seus projetos? Como gestor de uma empresa privada, sempre procurei ter contato direto com as pessoas. Nas próximas semanas, vou conversar com todos os deputados estaduais e federais eleitos por Minas Gerais, de forma que eu conheça cada um, saiba de qual região é, quais são seus anseios. Vou dizer: “O atraso no pagamento do funcionalismo, que estava em trinta dias, passou para 35 dias. Vamos querer que passe para quarenta dias no mês que vem? A situação continua a se deteriorar”. Muitas vezes, quem é eleito começa a viver em uma redoma e se isola. Não quero fazer isso. E vou utilizar as mídias sociais para deixar a população ciente da situação do estado. Não é possível que os deputados fiquem alheios à necessidade de acertar as contas públicas. Isso vai contra o anseio dos mineiros.

Fiquei surpreso em saber que o Executivo tem uma minifrota aérea à sua disposição

Minas Gerais é o terceiro estado mais endividado do país. Como reequilibrar as contas? Tenho um plano baseado em três pontos. O primeiro é uma redução drástica de despesas. Quero servir de exemplo. Só vou receber meu salário quando o pagamento do funcionalismo estiver em dia. Não vou morar no Palácio das Mangabeiras, posso alugar ou comprar uma casa e pagar do meu bolso. Vou reduzir o número de secretarias de 21 para nove e cortar pelo menos 80% dos cargos de indicação política (são cerca de 4 000 postos). Vamos rever contratos com fornecedores. Haverá uma economia significativa, mas longe de ser suficiente. O segundo ponto é fazer o estado deixar de ser inimigo de quem trabalha. Queremos atrair empresas e aumentar a arrecadação de impostos com a retomada da atividade, sem elevar a carga tributária. E o último ponto já está em andamento. Nosso economista é o Gustavo Franco (ex-presidente do Banco Central). Ele já está em contato com o Ministério da Fazenda para renegociar a dívida de Minas Gerais com a União. O governo pode oferecer melhores condições em troca de medidas de austeridade, que vamos adotar.

A transição de governo começou. Algo chamou a atenção do senhor? Fiquei surpreso em saber que o Executivo tem uma minifrota aérea, com alguns helicópteros e jatinhos à disposição. Quando tiver de viajar até Brasília, pegarei um voo de carreira. Sempre fiz isso como empresário. Criou-se no Brasil a imagem de que o governante tem de ser tratado como a rainha da Inglaterra. E daí os privilégios vão sendo multiplicados. Temos de demolir esse conceito. Além disso, as estatais viraram um cabide de empregos.

O que pode ser feito para melhorar o ambiente de negócios e estimular investimentos? Minas Gerais tem hoje a legislação tributária mais complexa do Brasil. Qualquer empresário com negócios em Minas e em outros estados sabe perfeitamente disso. A carga tributária é das mais altas. Há fuga de empreendimentos e de consumidores que saem de Minas para comprar em outro lugar. Falar em reduzir a carga tributária neste momento é irresponsabilidade, porque o estado está quebrado, a União está com déficit. Mas tem de haver uma simplificação tributária urgente. As empresas hoje precisam ter analistas fiscais e tributaristas, implantar sistemas caríssimos, para acompanhar a mudança das leis. Isso gera custos, insegurança e perda de competitividade. Vamos combater também a lentidão em processos ambientais. Há o caso de uma mineradora que aguarda há mais de dez anos uma licença ambiental. Quero deixar bem claro: não defendo danos ao meio ambiente. A lei tem de ser respeitada. Mas hoje o estado tem uma visão antiempresarial, e precisamos mudar isso.

Que práticas da iniciativa privada pretende levar para o setor público?  A primeira é gastar menos do que se ganha. Caso contrário, no setor privado, a empresa vai à falência. A segunda é medir o desempenho dos funcionários. Em geral, os bons e os ruins são tratados da mesma forma. Outro ponto é que não vou ter de preencher os cargos do secretariado com indicações políticas. Fui eleito sem promessas de cargo. Como acontece em uma empresa, vou montar o melhor time ao meu alcance. Para certas secretarias, duas consultorias especializadas já estão identificando nomes e avaliando os perfis mais aderentes às vagas. E vou levar também a urgência. Na iniciativa privada, sabemos que existem tarefas que devem ser feitas rapidamente. No setor público, há uma certa visão de que as coisas podem ficar para o próximo ano.

Como pretende atrair profissionais qualificados para o governo? Para nossa surpresa, já recebemos 1 200 currículos, muitos de pessoas com um histórico profissional excelente. A eleição do Novo levou muitas pessoas a pensar “quero participar e fazer a diferença”, em vez de “quero ser remunerado em cargo público ou tirar algum proveito”. É uma mudança de mentalidade. Vou dar um exemplo: Renato Feder, um empresário de São Paulo, da Multilaser, será secretário da Educação no Paraná, como voluntário. Ele aceitou o cargo porque é um entusiasta da educação. Tem a vida estruturada, a empresa que fundou está com a gestão profissionalizada. É uma situação semelhante à minha. Assim como existem voluntários na Apae (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais), nós, brasileiros, estamos acordando para essa questão.

Como será a comunicação pelas redes sociais? Vou ser transparente com as pessoas e os deputados. Não tenho feito promessas. O atual governo tem pecado nessa questão, se esconde e não fala qual a verdadeira situação. Como eu vou tomar as medidas de correção que estão ao meu alcance, eu vou falar: “Eu fiz dez, mas precisamos fazer oitenta. A minha parte eu fiz. Agora os outros setenta ainda dependem disso e daquilo, e está em sua mão parte do problema”.

O que o senhor vai fazer se as exigências passarem pela privatização de estatais como a Cemig e a reforma da previdência estadual? São questões que terão que passar pela assembleia legislativa. Mas a situação financeira do estado é tão grave que, se nós privatizássemos tudo, estaríamos tapando o sol com a peneira. Minas perde hoje o equivalente a uma Cemig, por ano, em déficit nas despesas correntes. As estatais estão desvalorizadas. Antes de falar em privatizar, temos que recuperar o valor das empresas públicas mineiras. Sobre a previdência, vamos fazer uma análise criteriosa durante a transição.

Há um clima de otimismo no setor privado para os negócios. Como aproveitar essa perspectiva positiva? Nada melhor do que casos concretos para começar a mostrar que tudo isso não é só um auê, algo que só está na cabeça das pessoas. Eu já quero trazer para o estado no ano que vem várias empresas que tinham interesse de investir, de ampliar a capacidade de suas fábricas, mas que estavam receosas com o que poderia acontecer. Precisamos transformar o sentimento positivo em realidade.

Publicado em VEJA de 21 de novembro de 2018, edição nº 2609