Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

No Rio, manifestantes carregam faixas bilíngues em apoio a Bolsonaro

Apesar da pandemia, milhares de pessoas estão aglomeradas e sem máscara na orla de Copacabana e defendem pautas antidemocráticas

Por Marina Lang Atualizado em 7 set 2021, 12h11 - Publicado em 7 set 2021, 12h06

Milhares de manifestantes ocupam duas faixas de asfalto da Avenida Atlântica, em Copacabana (Zona Sul do Rio de Janeiro), na altura dos Postos 4 e 5, em ato com pautas antidemocráticas convocado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Há cartazes que defendem uma Constituição “anticomunista”, além de ofensas à ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). A Polícia Militar não soube informar a quantidade de pessoas presentes.

Manifestantes favoráveis ao presidente Jair Bolsonaro impunham cartazes em português e inglês, muitos com erros de grafia
Manifestantes favoráveis ao presidente Jair Bolsonaro impunham cartazes em português e inglês, muitos com erros de grafia – Marina Lang/VEJA

Os manifestantes vestem trajes verde e amarelo, além de empunharem bandeiras do Brasil. Apesar da pandemia do coronavírus, a maioria dos manifestantes está muito aglomerada e sem máscara. Há cartazes em português e inglês – muitos com grafia incorreta. “É sangue nos olhos e faca nos dentes”, bradou um dos condutores dos 12 carros de som espalhados pela avenida. O ponto mais aglomerado é na altura da rua Xavier da Silveira.

Apesar de arquivado na Câmara dos Deputados, o voto impresso está pesente em cartazes, além de pedidos de impeachment do ministro do STF, Alexandre de Moraes. Pedidos de renúncia do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, também foram vistos pela reportagem. Os apoiadores de Bolsonaro pedem, ainda, a “criminalização do comunismo”.

Por volta das 11h20, um carro do Círculo Militar – que convocou a manifestação – defendia que a Ditadura Militar (1964-1985) teria sido uma “revolução”, e não um golpe

Mesmo com Bolsonaro eleito em 2018, um dos oradores do carro de som “Líderes da Direita pelo Brasil” defendia que “12 milhões de votos foram roubados”. Os atos acontecem em meio à queda de popularidade de Bolsonaro, alto desemprego e aumento da inflação.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês