Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Julgamento virtual de recurso de Lula no STF começa nesta sexta

Ministros têm até o dia 10 de maio para votarem, em plataforma online, sobre pedido do petista para deixar a prisão

Começou à zero hora desta sexta-feira 4 o prazo para que os ministros da 2ª Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) julguem, no “plenário virtual”, o recurso do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para deixar a prisão.

Os ministros terão até as 23h59 do dia 10 de maio para decidir a questão. O resultado poderá ser divulgado antes se todos os ministros anteciparem os votos. Integram o colegiado Edson Fachin (presidente), Celso de Mello, Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski e Dias Toffoli.

Em geral, o julgamento em plenário virtual é usado para decisões sem grande repercussão e com entendimento pacificado. No entanto, a medida do ministro Edson Fachin, relator do caso, de enviar o recurso de Lula para julgamento não presencial foi entendida dentro do tribunal como uma forma de ganhar tempo.

A maioria dos integrantes do colegiado é contra o entendimento que autoriza a prisão após a segunda instância da Justiça. Em março, a turma já havia analisado outro recurso de Lula por meio eletrônico. O colegiado liberou acesso da defesa à uma parte da delação premiada dos publicitários João Santana e Mônica Moura.

Como funciona

No julgamento virtual, os ministros apresentam seus votos pelo sistema eletrônico sem se reunirem presencialmente. A plataforma funciona 24 horas por dia e os ministros podem acessar de qualquer lugar.

A votação é aberta quando o relator (Edson Fachin) inserir no sistema o recurso e seu voto, que poderá ser visto pelos demais integrantes, que têm sete dias corridos para inserirem suas manifestações — a previsão é que o resultado seja divulgado no dia seguinte.

Se algum ministro não apresentar o voto até o fim do prazo, será considerado como voto com o relator. Um pedido de vista pode ser feito a qualquer momento. Neste caso, a decisão vai para o julgamento presencial.

Lula está preso na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba desde o dia 7 de abril, por ordem do juiz Sergio Moro, que determinou a execução provisória da pena de doze anos de prisão na ação penal do tríplex do Guarujá (SP), após o fim dos recursos na segunda instância da Justiça.

No recurso que será julgado, a defesa de Lula sustenta que o juiz Sergio Moro não poderia dado início ao cumprimento da pena porque ainda era possível apresentar recursos no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4).

Para os advogados, a decisão do Supremo que autorizou as prisões após segunda instância, em 2016, deve ser aplicada somente após o trânsito em julgado no TRF4. Os advogados também pedem que o ex-presidente possa aguardar em liberdade o fim de todos os recursos judiciais possíveis.

(com Agência Brasil)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Douglas Alves

    Só no Brasil mesmo…o cara comprovadamente corrupto recorrer infinitamente até achar uma brecha para soltura. Não é demais quando falam que a justiça aqui é uma piada (de mau gosto).

    Curtir

  2. JOSE ROBERTO DE LIMA MACHADO

    AD INFINITUUUMMM!…

    Curtir

  3. JOSE ROBERTO DE LIMA MACHADO

    …até “VIRTUAL”?…arrêgo!…

    Curtir

  4. João Batista Berto

    Aqui veremos se o capo mantém o comando.

    Curtir

  5. A formação desse tribunal é composta por quatro comparsas do vagabundo lulladrão presidiário mais o ministro Fachin, então podemos afirmar que o vagabundo já está em liberdade, é só uma questão de dias.
    Considerando que o valor da propina de milhões de reais já está acertado com os juizecos vagabundos de toga, os mesmos só vão fazer assinar a liberdade do vagabundo lulladrão presidiário.
    Resta ao Brasil honesto trabalhador, protestar contra esses juizecos vagabundos de toga, de qualquer forma possível.

    Curtir