Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Entrevista exclusiva: “Presidente só tem um”, diz Geraldo Alckmin

Vice-presidente, que assumiu o governo interinamente, fala da parceria com Lula, das 'discretas' missões e do plano do PSB de tê-lo como candidato em 2026

Por Leonardo Caldas
Atualizado em 14 abr 2023, 10h03 - Publicado em 14 abr 2023, 06h00

O governo ainda estava sob efeito do transe provocado pelos terríveis eventos do dia 8 de janeiro. No Planalto, os mais apavorados suspeitavam que a baderna era a senha para o início de um golpe contra a democracia. Era preciso agir rápido, mas todo o cuidado era pouco. Ainda no calor dos acontecimentos, o ministro da Defesa, José Múcio, recebeu um aviso no meio da noite: havia um movimento forte para retirá-lo do cargo. Múcio enfrentava ataques pesados do PT, que avaliou que ele havia sido leniente demais com os militares. Antes dessa conversa, Lula já havia decidido demitir o comandante do Exército e analisava uma lista de possíveis substitutos — missão extremamente delicada devido às circunstâncias. Pouca gente soube do papel importante que o vice-presidente Geraldo Alckmin teve nessa crise. Era ele o nome cotado para assumir o Ministério da Defesa. Ele também foi um dos fiadores da aproximação entre o presidente e o novo comandante do Exército, mudança operada sem turbulências, de maneira absolutamente discreta, apesar do clima de hostilidade nos quartéis e da rejeição que as Forças Armadas sabidamente cultivavam em relação ao presidente da República.

Se pairavam dúvidas em determinados setores do PT sobre a lealdade do vice-presidente, elas se dissiparam completamente depois desse episódio. Além de chefiar o Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços, Alckmin passou a executar outras missões importantes. Cabe a ele, por exemplo, estabelecer canais de comunicação com setores do empresariado que apoiaram Jair Bolsonaro nas eleições, especialmente os representantes do agronegócio. Antes da posse, o vice já havia sido designado para discutir a transição com o então presidente Bolsonaro. Agora, seus dois gabinetes — o da Vice e o do ministério — servem de entreposto para políticos de oposição, bolsonaristas em sua maioria, que se mostram dispostos a conversar com o governo. Esses encontros têm facilitado o trabalho dos ministros encarregados da articulação política e, comenta-se, cabalando votos que podem ser decisivos para aprovar projetos no Congresso — tudo sem alarde, na surdina, com absoluta e necessária discrição.

PARCERIA - Ao vacinar Lula: o presidente hoje confia mais em seu vice do que em muitos companheiros do partido
PARCERIA – Ao vacinar Lula: o presidente hoje confia mais em seu vice do que em muitos companheiros do partido (Cadu Gomes/VP/.)

“Quero dizer que essa união com o Lula foi importante porque estava claríssimo que o projeto do ‘sainte’ não era democrático. Foi uma parceria necessária para o país.”

É por essas e outras razões que, na terça-feira 11, quando embarcou para a viagem oficial à China, Lula estava abso­luta­men­te à vontade ao transmitir o cargo ao vice — situação que não se via com Dilma Rousseff, que não confiava em Michel Temer, e com Bolsonaro, que acreditava que Hamilton Mourão estava sempre pronto para tomar sua cadeira. A relação de Lula e Alckmin é completamente diferente. Os dois não se conheciam direito até o ano passado, quando pesquisas mostraram que o petista era o único candidato capaz de bater Bolsonaro nas urnas, mas, para que isso acontecesse, era preciso ampliar sua base de eleitores, atrair o centro e os conservadores que resistiam ao PT. A ideia de dividir a chapa com o ex-governador de São Paulo foi sugerida a Lula pelo hoje também ministro Márcio França. O petista topou na hora. O acerto não tardou. Combinaram que as rusgas do passado ficariam no passado — e assim foi.

Continua após a publicidade

Lula hoje confia mais em Alckmin do que em muitos dos seus antigos companheiros de partido. “Ele é aplicado, discreto, não gosta de holofotes, fala com todos os políticos e isso nos dá segurança”, diz um assessor do presidente. A discrição é sempre destacada como a qualidade do vice que mais agrada ao presidente e ao PT. E ela é fato. Além da agenda pública, pouco se sabe sobre a rotina de Alckmin. Seus hábitos franciscanos já geraram queixas sobre o excesso de mordomias disponibilizadas no Palácio do Jaburu, onde ele mora com a esposa. O vice também vive driblando a segurança. Em Brasília, ele foi sozinho tomar café numa padaria no centro da cidade. Há algumas semanas, em São Paulo, despistou a equipe e viajou até Pindamonhangaba dirigindo o próprio carro. Na volta, parou num posto de gasolina para descansar e foi despertado por um caminhoneiro, enquanto cochilava dentro do seu HB20.

DISCRIÇÃO - Em evento: o vice assumiu, mas não sentou na cadeira do presidente
DISCRIÇÃO - Em evento: o vice assumiu, mas não sentou na cadeira do presidente (Cadu Gomes/VP/.)

“Sou da tese do padre Lebret que dizia que na política o ideal era ser um zé-ninguém a serviço de uma grande causa. Melhorar a vida das pessoas, promover emprego, desenvolvimento. Essa é a minha causa”

Durante a interinidade, Alckmin avisou que não iria usar o gabinete de Lula — outra demonstração da maneira como o vice delimita sua atuação. Em entrevista a VEJA, essa tendência fica nítida. Alckmin faz um balanço positivo dos 100 dias de governo, fala do 8 de janeiro, minimiza sua atuação, critica Bolsonaro, elogia Lula e até tece loas à deputada Gleisi Hoffmann (que nunca foi uma entusiasta da presença dele na chapa) e ao PT (partido que, no passado, ele chamou de “quadrilha”). O vice, porém, desconversa quando perguntado sobre o futuro. O PSB tem planos ambiciosos para 2026. Uma liderança do partido confidenciou que, caso Lula não dispute a reeleição, há o entendimento de que os papéis devam se inverter. Alckmin seria o candidato a presidente e o PT indicaria o vice. O raciocínio é sustentado na seguinte lógica: sem Lula, são reais as chances de a direita voltar ao poder. Alckmin, claro, seria o único político capaz de reeditar a frente vitoriosa de 2022. A seguir, os principais trechos da entrevista.

Continua após a publicidade

Os primeiros três meses do governo foram o que o senhor imaginava? É impressionante os avanços que conseguimos nesse período. Demos um aumento muito maior para o salário mínimo com ganho real. Conseguimos implantar o imposto de renda para quem ganha até 2 640 reais com isenção total. O Bolsa Família, além dos 600 reais, tem 150 reais para crianças de 0 a 6 anos e a partir daí mais 50 reais para jovens. O Minha Casa, Minha Vida voltou para aqueles que precisam mais. Saúde é uma coisa urgente. O Brasil foi campeão no quesito imunização. Eu vacinei o presidente.

Na campanha, o senhor recebeu a missão de reaproximar Lula do agronegócio. Consta que, agora, o senhor cumpre a mesma missão com apoiadores de Jair Bolsonaro que buscam interlocução com o governo, certo? A briga política não tem a ver com interesse público. O presidente Lula sempre destaca que é preciso em qualquer viagem, para qualquer estado, avisar governador e prefeito. Isso, independentemente do partido. Não interessa. Acabou a eleição. Temos que trabalhar. Sou da tese do padre Lebret que dizia que na política o ideal era ser um zé-ninguém a serviço de uma grande causa. O importante é a causa. Melhorar a vida das pessoas, promover emprego, desenvolvimento. Essa é a minha causa.

SEM BARULHO - 8 de janeiro: o vice-presidente teve um papel importante na gestão do momento mais crítico do governo
SEM BARULHO – 8 de janeiro: o vice-presidente teve um papel importante na gestão do momento mais crítico do governo (Eraldo Peres/AP/Image Plus)

“As instituições saíram fortalecidas e se desmascarou uma situação. É inegável que tinha uma ‘tchurma’ aí que não tinha compromisso com a democracia, mas sim com o poder”

Continua após a publicidade

Uma das primeiras visitas que o senhor recebeu como vice-presidente foi do deputado Ricardo Barros (PP-PR), ex-líder do governo Bolsonaro. Governo bom é aquele que está permanentemente ouvindo. Quem ouve mais erra menos. Nós temos que estar perto do setor produtivo e da sociedade civil organizada. Confederação Nacional do Comércio, sindicatos… Isso é fundamental. O governo tem que estar próximo do setor produtivo e da sociedade civil. O deputado Ricardo Barros é secretário de estado do Paraná.

Tem havido trombadas entre os ministros, a ponto de o presidente chamar a atenção de alguns em público. Trinta e sete ministérios não é demais? A rigor, a grande maioria dos ministérios que foram criados só começou a funcionar de fato nas últimas semanas. Até organizar, ajustar orçamento, vai tempo. Uma coisa importante, inteligente, é que, se alguém cuida de uma área específica, esse alguém cuida melhor. Não tinha como o Ministério da Fazenda cuidar de tudo. No Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços, por exemplo, se você tem uma pessoa focada nisso, é evidente que os resultados serão melhores. Não criamos cargo nenhum. Foram todos redistribuídos, tanto que os ministérios estão mais apertados. Não tivemos uma despesa extra.

Dizem que o 8 de janeiro acabou de certa forma sendo positivo para o governo. O senhor concorda? O episódio do 8 de janeiro foi descabido e absurdo. A resposta dos três poderes foi rápida. A democracia saiu fortalecida e desmascarou a situação. É inegável que tinha uma “tchurma” aí que não tinha compromisso com a democracia, mas sim com o poder. Eu disputei eleição para prefeito de São Paulo e não fui para o segundo turno por 7 000 votos, em 7 milhões de eleitores. Fazer o quê? É da democracia. Agradeci a honra e a confiança. Agora é preciso reconstruir as pontes.

Quais pontes? Primeiro com os partidos políticos. Eu permaneço ouvindo, recebendo partidos, conversando. Depois você tem lideranças muito importantes e boas em todos os partidos. Também estou em frequente contato com as representações da sociedade civil. Sindicato dos trabalhadores, empresários, entidades… Depois, com os setores da economia: agricultura, indústria, comércio. E, claro, é imprescindível construir pontes com quem está na ponta, que são os governadores e prefeitos. Temos que estar frequentemente dialogando.

Continua após a publicidade
ADVERSÁRIOS - Gleisi: a presidente do PT nunca foi uma entusiasta da aliança
ADVERSÁRIOS - Gleisi: a presidente do PT nunca foi uma entusiasta da aliança (Ettore Chiereguini/AGIF/AFP)

“A Gleisi é uma pessoa de valor. O PT tem uma coerência muito grande que é esse compromisso com a população mais empobrecida”

O senhor recebeu algum pedido especial do presidente Lula? O presidente sempre reforça que quer fidelidade ao programa de governo, à proposta que foi elaborada. A segunda coisa que ele pede é para agirmos rápido. O presidente Lula fala uma coisa muito certa. Para quem perde a eleição, quatro anos é um tempo muito longo, um século. Mas, para quem ganha, quando se abrem os olhos, o mandato já acabou.

Na campanha, Bolsonaro usou suas entrevistas do passado, nas quais o senhor criticava duramente Lula, para mostrar que aquela era uma aliança de ocasião. A conclusão é correta? De que o Brasil precisa mais: discussões e desavenças do passado ou nos unirmos pelo futuro? Na realidade, se você for lá atrás, eu e o Lula estávamos juntos na redemocratização do Brasil. Eu era prefeito de Pindamonhangaba. Nós participamos juntos da campanha pela redemocratização. Depois, lá na frente, o Lula foi criar o PT e eu ajudei a fundar o PSDB. Em disputa eleitoral existem desavenças. Mas o que eu quero dizer é que essa união com o Lula foi importante porque estava claríssimo que o projeto do “sainte” (Jair Bolsonaro) não era democrático. Foi uma união necessária para o país.

Continua após a publicidade

O senhor tem algum problema em conviver com nomes do PT? Não. Aliás, eu quero registrar a minha admiração pela presidente do PT. A Gleisi é uma pessoa de valor. Combativa, inteligente, e nós não precisamos concordar em tudo. A pluralidade é importante e o Lula destaca isso. Temos que debater, discutir. Não temos dogmas. Queremos emprego, renda e mudar a vida das pessoas para melhor. O PT tem uma coerência muito grande que é esse compromisso com a população mais empobrecida.

Qual a meta do seu ministério? O Brasil teve uma desindustrialização precoce. A Europa também se desindustrializou, mas a nossa foi precária e severa. Mais do que nos reindustrializar, nós precisamos de uma neorreindustrialização. Uma questão central é a agenda de competitividade. Há um princípio em medicina que diz: suprima a causa que o efeito cessa. Temos que agir nas causas do baixo crescimento. O nosso modelo tributário gera um custo absurdo para as empresas. Não é justo. Temos uma judicialização absurda que leva à insegurança jurídica, atrapalha as exportações. O mundo inteiro tem o IVA — imposto de valor agregado. Eu defendo isso. O que não podemos é ter uma alíquota só. Acho que o Had­dad está indo bem e eu sou um grande entusiasta da reforma tributária.

Qual será a grande mudança para o contribuinte? A reforma vai trazer eficiência econômica. Estudos mostram que podemos aumentar o PIB em 10% nos próximos quinze anos. Ela faz a economia andar, simplifica e reduz custos, além de estimular a exportação por não acumular crédito — um conjunto de benefícios.

Nos últimos anos, os vices foram motivo de dor de cabeça para os titulares. Que tipo de vice o senhor quer ser? Não existe um modelo. Quero trabalhar e o presidente Lula dá muito espaço e até estimula. O presidente é afável e de bom trato. Gosto muito dele.

Por que optou por não sentar na cadeira do presidente Lula em sua interinidade? Presidente só tem um e é o Lula.

O senhor tem algum plano para 2026? Meu único plano é trabalhar com Lula pelo Brasil. Não tenho nenhum outro.

Publicado em VEJA de 19 de abril de 2023, edição nº 2837

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.