Clique e assine a partir de 9,90/mês

Em meio a atrito com Câmara, Bolsonaro reúne ministros nesta segunda

Governo tenta amenizar desgaste entre presidente e Rodrigo Maia após semana de desentendimentos

Por Da Redação - Atualizado em 25 mar 2019, 11h11 - Publicado em 25 mar 2019, 05h41

A agenda do presidente Jair Bolsonaro nesta segunda-feira 25 é aberta com uma reunião que inclui os ministros Onyx Lorenzoni (Casa Civil); Paulo Guedes (Economia); Carlos Alberto dos Santos Cruz (Secretaria de Governo) e Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional). O encontro, marcado para esta manhã, no Palácio do Planalto, deve ser utilizado para debater os atritos entre o governo e a Câmara, além de suas possíveis implicações no trâmite da reforma da Previdência.

Neste domingo, o presidente recebeu o líder do governo na Câmara, Major Vitor Hugo (PSL-GO), para discutir articulações pela aprovação da reforma. A visita ocorreu no Palácio da Alvorada, durou menos de uma hora e não constava na agenda oficial do presidente. Na saída, Vítor Hugo disse que buscará uma “reaproximação” do Executivo com o Legislativo após uma semana de tensão.

Nos últimos dias, Jair Bolsonaro se desgastou publicamente com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Na sexta-feira, em entrevista ao Jornal Nacional, da TV Globo, Maia afirmou que o presidente precisa ter “mais tempo para cuidar da reforma da Previdência e menos tempo cuidando do Twitter”. Um dia antes, ele havia avisado ao ministro da Economia, Paulo Guedes, que deixaria a articulação política da reforma – era ele que estava ajudando a reunir uma uma base sólida de parlamentares para aprovar o projeto.

Neste sábado, em coletiva de imprensa em Santiago, no Chile, Bolsonaro dedicou quase todo seu discurso para falar sobre o destravamento da reforma. Disse que confia “na maior parte dos parlamentares” para o andamento do projeto e culpou a “velha política” pelas “reações por parte de alguns da classe política”. Pouco tempo depois, em Brasília, Maia retrucou: “Ele precisa dizer o que é a nova política”. Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo publicada no mesmo dia, Maia disse que o governo Bolsonaro era um “deserto de ideias”.

Continua após a publicidade

CCJ começa análise da Previdência nesta semana

O governo tenta contornar a crise com rapidez para evitar efeitos nos trâmites da reforma da Previdência. A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) da Câmara dos Deputados começa a analisar o projeto nesta terça-feira 26, ao ouvir o ministro da Economia, Paulo Guedes. Na quinta-feira 28, os deputados do colegiado vão debater o texto com juristas.

Entre os convidados estão o secretário especial adjunto de Previdência e Trabalho, Bruno Bianco Leal, a procuradora Elida Graziane Pinto, do Ministério Público de Contas de São Paulo, e o advogado Cezar Britto, ex-presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

Também é esperado o anúncio do nome do relator da reforma da Previdência dos trabalhadores civis pelo presidente da CCJ, Felipe Francischini (PSL-PR).

A indicação do relator estava prevista para quinta-feira, mas foi adiada a pedido de líderes partidários que querem esclarecimentos do governo sobre a reforma previdenciária dos militares e a reestruturação da carreira das Forças Armadas.

Continua após a publicidade

(Com Estadão Conteúdo e Agência Brasil)

Publicidade