Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Em entrevista, Bolsonaro reafirma que não aceitará derrota nas urnas

Candidato do PSL voltou a criticar urnas eletrônicas e relatou desconfiança com 'profissionais dentro do TSE'

Por André Siqueira
Atualizado em 28 set 2018, 22h05 - Publicado em 28 set 2018, 20h40

O candidato à presidência da República Jair Bolsonaro voltou a afirmar que não aceitará a derrota na eleição presidencial. As declarações do candidato do PSL foram dadas em entrevista ao Brasil Urgente, da TV Bandeirantes, nesta sexta-feira, 28.

“Pelo que vejo nas ruas, não aceito resultado diferente da minha eleição”, disparou o presidenciável, que afirmou que só será derrotado se houver fraude. “Aprovei o voto impresso, mas o Supremo derrubou. Não temos como auditar o resultado disso. A suspeição estará no ar. Se você ver como eu sou tratado na rua e como os outros são tratados, você não vai acreditar. A diferença é enorme”, acrescentou.

O capitão reformado do Exército voltou a criticar as urnas eletrônicas e o argumento da Procuradora-Geral da República Raquel Dodge de que a impressão dos votos coloca em risco o processo eleitoral. Bolsonaro disse, ainda, que não duvida dos ministros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), mas tem desconfiança de “profissionais de dentro do TSE”.

Questionado sobre uma possível reação à uma vitória de Fernando Haddad, Bolsonaro disse que não acredita que as Forças Armadas esboçariam alguma reação. “(As Forças Armadas) não tomariam a iniciativa, mas na primeira falta, poderia acontecer (uma reação) com o PT errando, sim”, explicou. Nós, das Formas Armadas, somos avalistas da Constituição. Não existe democracia sem Forças Armadas”, afirmou.

Campanha

Jair Bolsonaro afirmou que, por orientação médica, não participará de eventos de campanha até o dia 10 de outubro. “Pretendo participar (das agendas de campanha), mas não exposto ao público. Um pouco afastado, mais protegido”, explicou. O presidenciável disse não temer outro tipo de atentado, mas que evitaria aglomerações porque pode ser “abraçado” por seus seguidores.

#EleNão

O presidenciável menosprezou a campanha contra sua candidatura que viralizou nas redes sociais. “Artistas estão achando que vão manipular as mulheres brasileiras?”, ironizou. “Tudo bem, mas vão votar em quem?”, questionou o capitão reformado do Exército. Bolsonaro fez questão de ressalvar que sempre esteve “aberto ao diálogo”, mas que essa postura de rejeição à sua candidatura é fruto de uma “lavagem cerebral”. Neste sábado, 29, atos de mulheres contra o candidato do PSL estão programados para diversas partes do país.

RedeTV

Mais tarde, em entrevista ao telejornal RedeTV! News, Bolsonaro voltou a falar sobre os atos contra sua candidatura, comentou sobre as declarações de seu vice, o general Hamilton Mourão (PRTB), e de seu assessor econômico Paulo Guedes, e o envolvimento de seus filhos em um eventual governo como presidente.

“O grupo #EleNão vai se manifestar em alguns pontos do Brasil, mas o #EleSim é infinitamente maior que o primeiro”, disse. “Só peço que não haja atritos”, acrescentou.

Continua após a publicidade

Questionado sobre as declarações de Mourão, o presidenciável revelou que aconselhou o general a não dar mais palestras e “ficar quieto” até as eleições. Recomendou, ainda, que seu companheiro de chapa tivesse “tato com a imprensa” para evitar o que chamou de “fogo amigo”.

Em relação a Paulo Guedes, ele lamentou o “ato falho” do economista ao citar o “palavrão” CPMF (Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira). O capitão reformado do Exército ressaltou, porém, que trata-se de uma boa proposta para a economia do país e que não haverá aumento de impostos.

Por fim, Bolsonaro negou que seus filhos integrarão seu eventual governo como ministros. “Meus filhos, em especial o Carlos, que é uma espécie de freio, são uma consciência do que posso ou não fazer”. O postulante do PSL ao Palácio do Planalto disse que é bom ter os filhos por perto, para receber conselho. “Agora, não farão parte do governo”, afirmou.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.