Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Deputados paulistas se articulam para tirar mandato de Afif

Vice-governador que acumula cargo de ministro no governo federal é alvo de ações na Assembleia Legislativa

Por Da Redação
12 jun 2013, 09h19

A Assembleia Legislativa de São Paulo iniciou, na terça-feira, manobras para tentar tirar de Guilherme Afif Domingos (PSD) o cargo de vice-governador do estado, que ele acumula com a Secretaria da Micro e Pequena Empresa do governo federal.

Uma semana depois de o Ministério Público Estadual e a Comissão de Ética do Estado terem se manifestado pela perda do mandato do vice, deputados estaduais da base governista e de oposição começaram a se movimentar para tirar Afif do posto, que acumula com o de ministro.

Na última sexta-feira, em uma manobra combinada com o governo Dilma Rousseff, Afif foi exonerado “temporariamente” da secretaria federal para assumir o governo paulista no domingo, quando o governador Geraldo Alckmin (PSDB) viajou para o exterior. O vice será nomeado novamente ministro pela presidente Dilma Rousseff assim que o governador Geraldo Alckmin (PSDB) voltar, na quinta-feira, de viagem à França, onde participa de eventos sobre a indicação da cidade de São Paulo para sediar a Expo 2020.

O relator do pedido contra Afif na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia, Cauê Macris (PSDB), protocolou, na terça-feira, voto pela admissibilidade do projeto, aumentando as chances de o processo contra o vice-governador ser acatado por parlamentares.

O deputado estadual Carlos Giannazi (PSOL), autor do projeto de perda de mandato, decidiu também pedir hoje ao colégio de líderes da Assembleia regime de urgência para a proposta. Se o pedido por acatado, o relatório contra Afif não precisará ser votado na CCJ. Será enviado diretamente ao plenário.

Nova ação – Do PPS, partido que faz oposição ao governo federal, mas que deu sustentação ao governo de Gilberto Kassab, presidente do PSD, na Prefeitura de São Paulo, veio a outra ação contra Afif. O deputado estadual Alex Manente deve pedir ao presidente da Assembleia, Samuel Moreira (PSDB), que decrete vago o cargo do vice e assuma ele próprio o posto de governador enquanto Alckmin (PSDB) estiver fora.

Continua após a publicidade

“Nossos técnicos preparam a fundamentação jurídica para ingressarmos com uma questão de ordem. O presidente [da Assembleia] terá que tomar uma decisão”, disse Manente.

Após participar da inauguração de um centro oncológico em São Paulo, o vice e atual governador em exercício declarou ontem que aguarda “com serenidade o posicionamento da CCJ” da Assembleia.

Parecer – No parecer protocolado na terça-feira, na Casa, Macris deixou a primeira digital tucana contra Afif desde que o processo começou, em maio. Investido do poder de arquivar o processo, decidiu deixá-lo andar.

No documento, sustentou haver “em tese, eventual violação de dispositivos constitucionais, hábil a ensejar a perda de mandato de vice-governador”. Sem opinar sobre o mérito da questão, Macris sugeriu que a CCJ, caso acolha a suposição, dê um prazo de cinco sessões ordinárias para o vice apresentar defesa.

Reunião – A presidente da CCJ, Maria Lúcia Amary (PSDB), marcou para a próxima terça-feira uma reunião extraordinária da comissão para deliberar sobre o parecer do relator. Ela disse esperar que alguns dos treze integrantes peçam vista do processo – cada deputado membro da comissão pode fazer um pedido de suspensão da votação e analisar o caso por até 72 horas. Se os deputados pró-Afif decidirem pela manobra, o caso se alongaria na CCJ por semanas.

Continua após a publicidade

Para tentar evitar a obstrução na comissão, Giannazi afirmou, após consultar a Mesa Diretora, que levará hoje ao colégio de líderes a proposta de votação em regime de urgência da perda de mandato de Afif.

Se a maioria dos líderes decidir aceitar o pedido de Giannazi, o projeto sairia da CCJ e iria direto para deliberação do plenário, onde os 94 deputados analisariam a questão. “Se ficar na CCJ vai demorar. O PT, o PSD e o PTB, que são contrários, vão tentar obstruir o máximo possível. Se eu conseguir pautar a urgência, a gente queima uma etapa importante de obstrução”, disse Giannazi, que ainda ameaçou levar o caso ao Supremo Tribunal Federal (STF) caso haja “muita obstrução”. “Se por acaso a Assembleia não decretar a perda do cargo, vou direto para o STF dizendo que a Assembleia foi omissa com parecer do procurador-geral de Justiça, que ela não cumpriu sua função.”

Afif ainda pode recorrer ao Tribunal de Justiça contra a tramitação do projeto na Assembleia.

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.