Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Denúncia contra Bolsonaro no STF terá Marco Aurélio como relator

O ministro, que pertence à Primeira Turma do Supremo, ficará responsável pela acusação da PGR contra o deputado pelo crime de racismo

O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), foi definido nesta segunda-feira (16) como relator da denúncia apresentada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) contra o deputado federal e pré-candidato à Presidência da República Jair Bolsonaro (PSL-RJ) na última sexta-feira (13).

 

Com a distribuição do processo para Marco Aurélio, caberá à Primeira Turma do STF, à qual ele pertence, decidir se Bolsonaro virará réu e será julgado. Além do relator, o colegiado é formado pelos ministros Alexandre de Moraes, Rosa Weber, Luís Roberto Barroso e Luiz Fux.

Jair Bolsonaro é acusado pela procuradora-geral da República, Raquel Dodge, de crime de racismo contra negros, quilombolas, refugiados, mulheres e LGBTs durante palestra no Clube Hebraica do Rio de Janeiro, em abril de 2017. No discurso, de cerca de uma hora, o deputado disse que as comunidades tradicionais “não fazem nada” e “não servem nem para procriar”.

Ao denunciar o deputado, Dodge pediu que ele seja considerado culpado por duas incidências de racismo, com pena de um a três anos de prisão em regime fechado cada uma, mais o pagamento de uma multa por danos morais coletivos, no valor indenizatório mínimo de 400.000 reais.

Para a procuradora-geral da República, Jair Bolsonaro agiu com “total menoscabo pelos integrantes de comunidades quilombolas”, em uma manifestação que “alinha-se ao regime da escravidão, em que negros eram tratados como mera mercadoria, e à ideia de desigualdade entre seres humanos”.

Eduardo Bolsonaro, filho de Bolsonaro e, assim como o pai, deputado federal, também foi denunciado pela PGR. Ele é acusado por supostamente ter ameaçado a jornalista Patrícia Lélis. Em sua conta no Facebook, Eduardo anunciou que estaria namorando Patrícia, que, assim como ele, era filiada ao PSC. Patrícia desmentiu o deputado, o que provocou uma discussão entre os dois no aplicativo de mensagens Telegram.

 

Nas mensagens, registradas pela jornalista e anexadas à denúncia, Eduardo Bolsonaro diz que, se ela “falar mais alguma coisa”, ele acabaria com a vida dela. Diante da pergunta se se trataria de uma ameaça, o parlamentar responde: “Entenda como quiser”. Raquel Dodge pede pena de um a seis meses e multa de 50.000 reais como punição ao filho de Jair Bolsonaro.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. F*DEU !!!!!! Vão fazer de tudo para impugnarem a candidatura do Bolsonaro….
    ——————————————
    Mas supondo que o Jair consiga se candidatar. A Smartmatic vai eleger Marina Silva.

    Curtir

  2. O sistema mostrando que o único candidato viável poderá ser inviável. #VaiTerBolsonaroSim

    Curtir

  3. Ataíde Jorge de Oliveira

    VïÏï$ÇHïÏï!
    E$ÇA Vai Dar o Q Fa££aR,VEjA 😮

    Curtir

  4. Gianinni Araujo

    Essa Raquel Dodge viajou! Conseguiu transformar uma mera opinião em racismo e apologia à escravidão! Chegamos a um ponto em que é mais fácil você ser preso por falar alguma coisa do que matar alguém! Por isso mesmo Bolsonaro precisa ser candidato e com voto impresso, mesmo não concordando com algumas de suas ideias – sou a favor da legalização das drogas e de privatizar tudo. Bolsonaro vai trazer um equilíbrio para nos livrarmos exatamente desse politicamente correto cada vez mais próximo de censura e ditadura.

    Curtir

  5. Paulo Sanches

    KKKKKK, se a Dodge quer Prender o Bolsonaro por isso, então o Lula, o Temer, o Aécio, o Zé Dirceu , o Palocci , a Dilma, o Joesley e outros tantos deverão ser condenados a cadeira elétrica ???

    Curtir

  6. Ministro Marco Aurélio Mello, faz quinteto com Lewandowski, Toffoli, Celso de Melo e Gilmar Mendes, os quais, tem votado em favor do PT, ou contra a prisão do Lula. Será que vão se vingar em cima do Bolsonaro?

    Curtir