Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Deltan diz que sofreu ‘ataque gravíssimo’ e vê provas robustas contra Lula

Em sua primeira manifestação após divulgação de conversas entre ele e o então juiz Sergio Moro, promotor defende a força-tarefa da Lava Jato em Curitiba

O procurador federal Deltan Dallagnol divulgou um vídeo nesta segunda-feira, 10, em que defendeu o trabalho da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba, da qual é o coordenador, afirmando que a operação sofreu “um ataque gravíssimo” com a invasão de celulares de agentes envolvidos na investigação. Ele disse ainda que não reconhece os diálogos divulgados e defendeu que as provas contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) são “robustas”.

“Nosso receio é que a atividade criminosa avance agora para falsear e deturpar fatos nesse imenso ataque contra a Operação Lava Jato”, declarou. Foi a sua primeira manifestação após a divulgação de reportagens do site The Intercept Brasil que mostram trocas de mensagens entre integrantes da força-tarefa, entre eles Dallagnol, e o ex-juiz Sergio Moro.

“Essas acusações feitas não procedem, e a origem delas está ligada ao ataque criminoso realizado. Mesmo não reconhecendo a fidedignidade das mensagens que foram espalhadas, nós reconhecemos que elas podem gerar um desconforto em alguém, a gente lamenta profundamente por isso”, disse.

Sobre a consistência da denúncia contra Lula no episódio do tríplex do Guarujá, que levou o ex-presidente à prisão em Curitiba – onde está há pouco mais de um ano -, Dallagnol afirmou que a revisão, crítica e análise de detalhes da peça ocorreram justamente para que o Ministério Público Federal pudesse oferecer uma acusação robusta.

Em uma das mensagens trocadas, cujo conteúdo foi vazado, Dallagnol, por meio do aplicativo Telegram, escreve a um grupo de procuradores. “Falarão que estamos acusando com base em notícia de jornal e indícios frágeis? Então é um item que é bom que esteja bem amarrado. Fora esse item, até agora tenho receio da ligação entre Petrobras e o enriquecimento, e depois que me falaram tô com receio da história do apto? São pontos em que temos que ter as respostas ajustadas e na ponta da língua”.

No vídeo divulgado hoje, ele defende a acusação. “As provas do caso tríplex embasaram a acusação porque eram robustas, e tanto eram robustas que nove julgadores de três instâncias diferentes concordaram com a robustez das provas e condenaram o ex-presidente Lula”, disse se referindo aos magistrados do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) e do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que já avaliaram o caso.

Citando várias legendas além do PT que tiveram políticos alvos da operação, Dallagnol afirmou que a força-tarefa é contra a corrupção, independentemente de partido. “Vamos continuar dispostos e disponíveis para prestar esclarecimentos sobre fatos e sobre procedimentos da nossa responsabilidade a fim de manter a confiança da sociedade plena na nossa legitimidade de atuação e na legalidade e licitude da nossa atuação”, disse.

Dallagnol afirmou também que “é natural” que procuradores e juízes conversem, mesmo sem a presença da defesa, mas que isso não quebrou a imparcialidade da Lava Jato. “Some-se a tudo isso que todos os atos e decisões da Lava Jato são revisados por três instâncias independentes do Poder Judiciário, por vários julgadores”, apontou sobre a possível influência do atual ministro da Justiça, então juiz Sergio Moro, na condução da investigação.

Moro teria sugerido a inversão de ordens de fases da Lava Jato e até indicado testemunhas a Dallagnol, segundo as mensagens divulgadas.

O procurador ainda defendeu as críticas feitas por integrantes da força-tarefa à autorização do ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal, para que Lula fosse entrevistado pelos jornais Folha de S. Paulo e El País antes da eleição presidencial de outubro – uma procuradora chega a dizer que uma “coletiva antes do segundo turno pode eleger o Haddad”.

Dallagnol disse que manteria a postura em qualquer caso, independentemente de o preso ser ou não um político ou de a qual partido fosse filiado. “A força-tarefa entende que a prisão de uma pessoa em regime fechado restringe o direito dela de se comunicar com a imprensa. Isso não é uma questão de liberdade de imprensa, é uma questão e liberdade do preso”, disse.


CONHEÇA OS PODCASTS DE VEJA

Já ouviu o podcast “Funcionário da Semana”, que conta a trajetória de autoridades brasileiras? Dê “play” abaixo para ouvir a história de Sergio Moro, ministro da Justiça. Confira também os outros episódios aqui.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Pedro Morais

    Deltan, fique tranquilo, o povo brasileiro de bem está com vcs!! Avante com o trabalho!!

    Curtir

  2. André Liberdade de Expressão é meu direito CF Art Quinto

    Isso é um ataque ao combate a corrupção! Um ataque a Operação Lava-Jato, a maior operação de combate a corrupção do Brasil senão do mundo.

    Curtir

  3. André Liberdade de Expressão é meu direito CF Art Quinto

    Luiz Inacio Lula da Silva não é um preso político mas um político corrupto preso, foi condenado por vários juízes e em várias instancias, e teve ampla oportunidade de defesa.

    Curtir

  4. André Liberdade de Expressão é meu direito CF Art Quinto

    Crime escabroso foi a invasão dos smartphones da equipe da Lava-Jato por hackers! Queremos os invasores presos assim como Glenn Greenwald também, este não é jornalista mas um militante de esquerda.

    Curtir

  5. Marcos Queiroga

    Moro é deltam a cadeia esta esperando vocês se não for aqui será no inferno

    Curtir

  6. Márcio Lins

    Estamos com você!!!! Não a bandidagem!!!

    Curtir

  7. Carlos Zambon

    Robusta é a cara de Pau deste Dellagnol e do Moro.

    Curtir

  8. Quem com vazamento feriu, com vazamento foi ferido. Não se combate corrupção com transgressão à lei. Corromperam-se para condenar rápido e a qualquer preço. Agora, o combate à corrupção está jogado no lixo.

    Curtir