Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Datas: Carlos Langoni, Raul de Souza e Marco Maciel

O economista, o músico e o político

Por Da Redação Atualizado em 17 jun 2021, 13h40 - Publicado em 18 jun 2021, 06h00

A modernização do Banco Central brasileiro deve muito ao economista Carlos Langoni. Em 1979, então diretor da instituição, ele ajudou a elaborar a Selic, a taxa básica de juros. De 1980 a 1983, durante o governo de João Figueiredo, foi presidente do BC. Permanentemente atento aos problemas derivados das imensas desigualdades sociais, Langoni dedicava-se a construir estratégias de redução das inaceitáveis diferenças. Recentemente, sugeriu ao ministro Paulo Guedes — com quem dividiu assento na Universidade de Chicago e compartilhava das ideias liberais — uma série de mudanças no marco regulatório do gás natural de modo a reduzir os custos para o consumidor final. “Ele era construtivo, preparado, com espírito público”, disse Guedes. Langoni ocupava a diretoria do Centro de Economia Mundial da Fundação Getulio Vargas. Estava internado no Rio de Janeiro desde dezembro de 2020 em decorrência da Covid-19. Morreu em 13 de junho, aos 76 anos.

Um som inigualável

“SAMBA-JAZZ” - O trombonista carioca: fama internacional -
“SAMBA-JAZZ” - O trombonista carioca: fama internacional – Raul de Souza/Divulgação

Autodidata, apaixonado por Louis Armstrong, o trombonista carioca Raul de Souza, nome artístico de João José Pereira de Souza, desenvolveu um estilo inigualável, o “samba-­jazz”. Treinado no chorinho e nas gafieiras, tirava de seu instrumento ritmos e sons admirados internacionalmente. Conviveu e tocou com lendas americanas como Sonny Rollins e George Duke. Seu primeiro álbum, À Vontade Mesmo, é de 1965. O último, Plenitude, foi lançado neste ano. Morreu em 13 de junho, aos 86 anos, em Paris, de causas não reveladas pela família.

A voz da civilidade

LEALDADE - O pernambucano: o vice-presidente calmo de FHC, entre 1995 e 2002 -
LEALDADE - O pernambucano: o vice-presidente calmo de FHC, entre 1995 e 2002 – Ricardo Stuckert/.

O perfil longilíneo do pernambucano Marco Maciel, 60 quilos distribuídos em 1,87 metro, com os traços finos dos personagens das telas de Modigliani, era a falsa moldura de fragilidade de uma personalidade firme. Vice-presidente durante os oito anos de mandato de Fernando Henrique Cardoso, de 1995 a 2002, encarnava a voz calma e sensata a alinhavar os avessos ideológicos. Com Maciel, não havia embate político que perdesse civilidade. “Se me pedirem uma palavra para caracterizá-lo, diria: lealdade”, postou FHC nas redes sociais. Lealdade que ele demonstrara também ao governo do regime militar depois do golpe de 1964. Como presidente da Câmara dos Deputados em 1977, o então parlamentar eleito pela Arena era a ponte entre os generais que decretaram o fechamento da Casa durante duas semanas e os deputados. Maciel diria, depois, que sem sua atuação apaziguadora e a do presidente do Senado, Petrônio Portela, “tudo seria pior”. Tinha razão. Desde 2014, lutava contra o Alzheimer. Em março, contraiu Covid-19, mas conseguiu deixar o hospital. Morreu em 12 de junho, aos 80 anos, em Brasília, em decorrência da falência de múltiplos órgãos.

Publicado em VEJA de 23 de junho de 2021, edição nº 2743

Continua após a publicidade
Publicidade