Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Com menor adesão aos protestos, governo vê espaço para refutar impeachment

Apesar de aliviado, Planalto mantém postura de cautela e avalia que terá o período do fim de ano e as férias escolares para ganhar força na opinião pública

A menor presença de manifestantes nos atos pró-impeachment da presidente Dilma Rousseff, que aconteceram neste domingo em cidades de todo o país, deixaram o governo aliviado, embora a postura de cautela tenha predominado nas análises feitas ao longo do dia. Agora, o Palácio do Planalto espera poder fazer o que tem chamado de “debate com a sociedade” para evitar o afastamento da petista. Os movimentos chamaram a manifestação de “esquenta” e anunciaram um grande ato para o dia 13 de março.

O único a comentar publicamente os protestos foi o ministro da Comunicação Social, Edinho Silva. Após conversar por telefone com o colega da Casa Civil, Jaques Wagner, Edinho fez declarações diplomáticas em relação às manifestações, chamadas de “normais em um regime democrático”, e sem estimular o embate com os adversários do governo. “Tudo dentro da normalidade em um país democrático, que respeita a legalidade, que respeita as instituições, um Brasil que estamos construindo com muita dedicação democrática”, afirmou o ministro.

Segundo a assessoria do Planalto, Dilma permaneceu o dia todo no Palácio da Alvorada, sem receber visitas. As vias de acesso à residência oficial tiveram um dia típico de domingo, com pouco trânsito e turistas ao redor. A poucos quilômetros dali, na Esplanada dos Ministérios, o ato pelo impeachment reunia 3.000 pessoas, segundo a Polícia Militar.

Leia mais:

Manifestantes voltam às ruas para pressionar pelo impeachment

Com “esquenta”, manifestantes já marcam data de novo grande protesto: 13 de março

Nas análises repassadas a Dilma por telefone, auxiliares do governo registraram que a presidente não foi poupada nos protestos, mas nenhuma outra figura política foi cortejada pelos manifestantes. Também houve protestos contra o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que acolheu o pedido de impeachment da presidente no dia 2 de dezembro, dando o pontapé inicial ao processo.

O governo avalia que terá o período de festas de fim de ano e de férias escolares para tentar esfriar o clima de tensão política. Pelo menos até março não estão previstas grandes manifestações. É o tempo que o Planalto considera fundamental para reavaliar estratégias políticas e ganhar força na opinião pública. Para auxiliares da presidente, a tese do impeachment, emplacada pela oposição na última semana, ainda não chegou totalmente à sociedade. Nessa análise, o governo ainda teria espaço para disputar a opinião pública.

A meta é intensificar, nas próximas semanas, iniciativas de “esclarecimento” à população de que os argumentos usados para pedir o impeachment seriam políticos e não jurídicos. Ministros próximos da presidente defendem reforçar o discurso de ligar a aceitação do pedido de impeachment a Cunha ao fato de ele ter sido denunciado por suspeita de manter dinheiro de propina no exterior.

(Com Estadão Conteúdo)