Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Bolsonaro: ‘Policial que não mata não é policial’

Deputado também defendeu o porte de fuzil para proprietários de terra e defendeu a manutenção do foro privilegiado

Por Eduardo Gonçalves Atualizado em 23 abr 2018, 19h22 - Publicado em 27 nov 2017, 12h54

O deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) fez nesta segunda-feira um discurso em defesa da violência policial e do armamento da população, em evento Amarelas ao Vivo, promovido pela VEJA. Perguntado sobre a participação de policiais militares na morte de centenas de pessoas no Rio, o pré-candidato à presidência da República afirmou que “policial que não mata não é policial” e que eles deveriam ser condecorados.

Ele também se disse a favor do direito de proprietários de terra portarem fuzis para enfrentarem movimentos sem terra. Brincou até que seria uma boa ideia instituir o “bolsa fuzil”. “A propriedade privada é sagrada ou não? Então, dentro da nossa casa, para o fazendeiro, fuzil, é sagrado ou não é?”, questionou o parlamentar.

Bolsonaro também foi perguntado sobre o foro privilegiado, do qual ele é beneficiário como deputado federal e que foi contestado pelo juiz Sergio Moro e pelo ministro do Supremo Tribunal Federal Luís Roberto Barroso algumas horas antes, entrevistados no mesmo evento — os dois afirmam que o foro funciona, na prática, para retardar ações contra políticos, levando à impunidade.

O parlamentar, por sua vez, disse ser a favor da manutenção da prerrogativa e classificou como um “engodo” o projeto aprovado no Senado, em março, que acaba com o foro. Segundo ele, mesmo se perderem o direito de serem julgados única e exclusivamente pelo Supremo, os parlamentares continuariam postergando o desfecho dos processos judiciais por meio de infindáveis recursos nas instâncias inferiores.

O pré-candidato também foi instado a explicar declarações polêmicas que deu no passado, como por exemplo a de que era necessário fazer uma “uma guerra civil” dentro do Brasil e matar “uns 30.000”, incluindo o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso; e a de que preferia ter um filho morto em um acidente a um filho gay. O parlamentar afirmou que tudo era “uma questão de momento”. “É como a mãe que fala que vai enforcar o filho e não faz nada. Nós temos esses momentos de querer chutar a barraca com tudo o que está lá dentro”, completou.

 

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)