Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

A boa e velha Petrobras já provoca tensão no governo Lula

Terceiro mandato do presidente reedita debate sobre o papel da companhia, que já foi símbolo da glória e da derrocada de gestões petistas

Por Daniel Pereira
25 nov 2023, 19h44

A Petrobras tem papel de destaque nos governos petistas. No segundo mandato de Lula, o presidente festejou a descoberta das reservas de petróleo do pré-sal, comparando-as a um bilhete premiado de loteria, que permitiria ao país acelerar seu passo rumo ao desenvolvimento. Já na gestão de Dilma Rousseff, a Operação Lava-Jato descobriu que os contratos da empresa eram superfaturados por um esquema monumental de corrupção, o petrolão, que contribuiu tanto para o impeachment de Dilma e como para a prisão de Lula.

Parte do protagonismo da Petrobras decorre de seu peso inegável na economia. Lançado em agosto, o novo Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) prevê 323 bilhões de reais em investimentos da companhia. Como no passado, as cifras são astronômicas, provocam preocupação sobre quanto o governo interferirá no plano de investimentos e nas decisões da empresa e já geram embates entre auxiliares poderosos de Lula.

Nos últimos dias, o ministro-chefe da Casa Civil, Rui Costa, dedicou-se a pressionar o presidente da Petrobras, Jean Paul Prates. Em público, o motivo do embate é o preço dos combustíveis. Com base numa queda circunstancial da cotação do dólar e do barril de petróleo, Rui Costa cobra a redução do valor da gasolina, que poderia ter impacto positivo na inflação. Prates resiste por entender que a Petrobras não deve repassar ao consumidor brasileiro toda e qualquer volatilidade do mercado externo, seja para encarecer ou baratear o preço. “Não faz sentido atuar por impulso ou açodamento”, declarou.

O peso dos combustíveis na inflação e no humor do eleitorado é inegável, mas o pano de fundo é outro. Em diferentes reuniões nas últimas semanas, inclusive com a participação de Lula, Costa reclamou do plano de investimento da Petrobras. De forma resumida, ele quer mais dinheiro desembolsado em um intervalo de tempo menor. Como Dilma, o ministro acredita piamente que a empresa tem de cumprir um papel de indutora do crescimento, o que em gestões anteriores do PT resultou em obras gigantescas, mas também serviu de terreno fértil para o petrolão.

Em meio à disputa, o site de O Globo divulgou que Rui Costa indicaria a Lula o nome de um subalterno de sua confiança para substituir Prates. O ministro não negou a informação e, depois que ela circulou, disse a um representante de uma empresa privada, numa conversa reservada, que não haveria troca no comando da companhia. O recado a Jean Paul Prates, no entanto, já estava dado. A tentação do uso político da Petrobras não acaba.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.