Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Venezuela reforça presença militar na fronteira com Guiana

Análise de imagens de satélite mostram envio de tanques e barcos de patrulha

Por Da Redação
Atualizado em 12 fev 2024, 18h24 - Publicado em 12 fev 2024, 17h04

A Venezuela reforçou bases militares próximas à fronteira com a Guiana, dois meses depois de Caracas reivindicar a região de Essequibo, rica em minérios e petróleo. A informação foi confirmada nesta sexta-feira, 9, por imagens de satélite compartilhadas pelo Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais (CSIS), nos Estados Unidos. A movimentação na divisa contraria as promessas anteriores do presidente venezuelano, Nicolás Maduro, que disse que não tomaria medidas militares contra a Guiana.

“Sob pressão internacional para resolver pacificamente a crise, nomeadamente do peso pesado sul-americano Brasil, os presidentes Maduro e Irfaan Ali da Guiana reuniram-se em São Vicente e Granadinas em 14 de dezembro de 2023 e assinaram a Declaração de Argyle”, afirmou o CSIS em relatório. Ambos os países concordaram em não ameaçar o uso da força um contra o outro para evitar incidentes no terreno que conduzissem a tensões e em estabelecer uma comissão conjunta “para tratar de questões conforme acordado mutuamente”.

+ Brasil conclui envio de blindados à fronteira com Venezuela e Guiana

A sinalização, no entanto, não saiu do papel. Os satélites mostram que, enquanto diplomatas de ambos os países se encontravam para impedir a escalada do conflito, militares venezuelanos enviaram tanques e barcos de patrulha com mísseis para a base militar fronteiriça da Ilha Anacoco, no Rio Cuyuni, à medida que novas partes da floresta eram demolidas para construções. A ação, segundo o vice-diretor do programa das Américas do CSIS, Christopher Hernandez-Roy, seria parte de “uma política dúbia” de Maduro.

“Em comparação com 2021, a recente imagem de satélite de 13 de janeiro de 2024 também revela o início do projeto de expansão na base com sinais de trânsito rodoviário, limpeza significativa do terreno sugerindo planejamento de edifícios adicionais ou parque de veículos, e a construção de um pequeno posto de abastecimento – uma indicação de futuras construções e presença de veículos militares”, alerta o centro americano.

Continua após a publicidade

Rixa por Essequibo

Essequibo, de 160 mil km², compõe 74% do território da Guiana, mas a Venezuela alega ser a proprietária legítima da área. Em disputa há mais de um século, a região pertence oficialmente à Guiana desde 1899, mas o líder venezuelano, Nicolás Maduro, propôs um referendo que reacendeu o debate. Em 4 de dezembro, 95,9% dos eleitores venezuelanos aceitaram incorporar o território ao mapa do país.

Estima-se que, por lá, existam reservas de 11 bilhões de barris. A maior parte estaria offshore, ou seja, no mar. Por causa das reservas fósseis, a Guiana tornou-se o país sul-americano que mais cresce nos últimos anos.

Acredita-se que a recente movimentação do líder de Caracas teria como objetivo fins eleitorais. A economia da Venezuela está em maus lençóis, com o país fechando o ano com inflação em 193%. A conquista de Essequibo ou até mesmo o sinal verde da Guiana em dividir as receitas do petróleo impulsionariam o crescimento econômico.

Apesar de atuar como mediador diplomático, o Brasil concluiu na semana passada o envio de 28 veículos blindados para reforçar a segurança na tríplice fronteira com Venezuela e Guiana.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.