Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

‘Último ditador da Europa’ é reeleito para sexto mandato na Bielorrússia

A decisão já era esperada, já que Alexander Lukashenko, de 65 anos, tem histórico de interferência em eleições

Por Julia Braun Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
9 ago 2020, 19h06

O ditador da Bielorrússia, Alexander Lukashenko, foi reeleito nas eleições realizadas neste domingo, 9, com 79,7% dos votos, de acordo com as pesquisas de boca de urna. Segundo a agência estatal Belta, a candidata da oposição unificada, Sviatlana Tsikhanouskaya, alcançaria 6,8% dos votos, resultado distante do que os analistas previam.

A decisão já era esperada, já que Lukashenko, de 65 anos, é considerado o “último ditador da Europa” e tem histórico de interferência em eleições. No poder desde 1994, buscava um sexto mandato presidencial em uma eleição que pela primeira vez não contou com a presença de observadores ocidentais.

A Bielorrússia nunca foi governada por alguém que não Lukashenko. O ditador repercutiu na mídia nos últimos anos pelo seu negacionismo da pandemia da Covid-19, recomendando vodka e sauna no combate à doença.

Embora Tsikhanouskaya tenha reunido dezenas de milhares de pessoas em seus comícios, Lukashenko alegou que uma mulher não poderia ser presidente da Bielorrússia e negou a opositora fosse sua “principal rival”. De acordo com as pesquisas, a terceira candidata, a ex-parlamentar Anna Kanopatskaya, teria recebido 2,3%; Andrei Dmitriev, co-presidente do Movimento “Diga a verdade!”, 1,1%, e Sergey Cherechen, líder social-democrata, 0,9%.

Continua após a publicidade

Bloqueio da internet e prisões

O dia das eleições foi marcado pelo bloqueio da internet em todo o país, que a oposição considerou um estratagema para impedir a mobilização popular e uma contagem paralela dos votos. Apesar disso, a participação dos eleitores foi grande, com diversas filas nos colégios eleitorais, incluindo na embaixada da Bielorrússia em Moscou.

Durante a campanha, a KGB prendeu dois dos principais candidatos da oposição e um terceiro teve de ir para o exílio, além de mais de 1.000 detidos, entre ativistas, observadores e repórteres. Além do impedimento da realização de comícios em Minsk na semana passada, dez colaboradores de Sviatlana Tsikhanouskaya, incluindo seu diretor de campanha, foram presos, alguns nas últimas horas.

Continua após a publicidade

Diante de apelos às redes sociais para irem às ruas quando chegar o fim a votação, Lukashenko alertou que não permitirá um “Maidan”, referindo-se à revolução na Ucrânia, enquanto Tsikhanouskaya exortou todos os cidadãos, “civis e de uniforme”, para não recorrer à violência.

Em 2001, na primeira reeleição de Lukashenko, a Organização para Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), entidade internacional que fiscaliza eleições no continente, denunciou “falhas fundamentais” no processo eleitoral, entre elas censura da mídia — a Bielorrússia ocupa a 153ª posição de 180 países no ranking de liberdade de imprensa feito pela organização Repórteres sem Fronteiras.

Casos de intimidação a opositores e de bloqueios arbitrários de candidaturas já aconteciam em 2001, segundo a OSCE.  Nas últimas eleições parlamentares, em 2019, fiscais da OSCE relataram urnas fraudadas e, em alguns casos, foram explicitamente impedidos de checá-las. Na ocasião, todos os 110 assentos da câmara baixa do Parlamento foram conquistados por apoiadores de Lukashenko.

Continua após a publicidade

(Com EFE e AFP)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.