Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Ucrânia diz que exército reconquistou fronteira de Kharkiv com a Rússia

A retomada do território é vista como um momento simbólico e um impulso moral, segundo analistas

Por Da Redação Atualizado em 16 Maio 2022, 22h17 - Publicado em 16 Maio 2022, 09h03

Oleh Sinegubov, governador da região de Kharkiv, na Ucrânia, afirmou nesta segunda-feira, 16, que o exército ucraniano está fazendo um contra-ataque bem sucedido contra a Rússia e conseguiu chegar à fronteira com o país vizinho no nordeste do país.

Em um vídeo divulgado pelos militares da Ucrânia, um pequeno grupo exibe um poste azul e amarelo na fronteira e faz sinais de “V” (de “vitória”) com os dedos.

“Estamos aqui! Estamos na fronteira!”, declaram, dirigindo-se ao presidente ucraniano Volodymyr Zelensky.

Na semana passada, autoridades ucranianas anunciaram que libertaram pequenas aldeias nos arredores de Kharkiv, segunda maior cidade do país e lar de 1,4 milhão de pessoas, anteriormente sob controle da Rússia.

O governador de Kharkiv afirmou, por meio de mensagem no Telegram, que a intensidade dos bombardeios na cidade “reduziu significativamente”. Segundo Sinegubov, as forças russas estão tentando segurar suas linhas e vão preparar uma ofensiva na área de Izyum.

A conquista de território é vista como um momento simbólico e um impulso moral, segundo analistas. Além de constranger as forças do Kremlin, que tiveram que recuar para o seu lado da fronteira, representa uma ameaça estratégica porque as forças russas mais ao sul, na região de Donbas, devem ficar sem linhas de abastecimento.

Continua após a publicidade

De acordo com o general Sir Richard Barrons, ex-comandante do Comando das Forças Conjuntas do Reino Unido, o fracasso da Rússia em Kharkiv deve ser considerado uma derrota para o país.

“Era um objetivo muito grande para os militares russos”, disse Barrons ao programa Today da Radio 4. “Mas quando [os russos] ficaram encurralados, tornaram-se um alvo mais fácil para um contra-ataque ucraniano, e continuar em Kharkiv tornou-se muito menos importante do que a luta em andamento no Donbas”, acrescentou.

Barrons afirmou, contudo, que isso não equivale a um fracasso da invasão russa em si, enfatizando que seu foco agora está no leste do país.

Apesar dos sucessos do contra-ataque, a cidade de Kharkiv não está fora de perigo. Mesmo que reduzidos, bombardeios russos deixaram vários feridos na noite de domingo, e batalhas intensas continuam em Luhansk e em outras partes de Donbas.

+ ‘Batalha de Donbas’ é comparada a confrontos da II Guerra Mundial

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)