Clique e assine a partir de 9,90/mês

Turquia coloca Europa em alerta após mortes em Paris

Três ativistas curdas foram encontradas assassinadas na capital francesa

Por Da Redação - 11 jan 2013, 11h09

A Turquia colocou suas missões diplomáticas na Europa em alerta e pediu que as autoridades francesas reforcem a segurança ao redor das representações turcas, após a morte em Paris de três ativistas curdas, informou uma autoridade turca nesta sexta-feira.

“Pedimos às autoridades francesas para aumentarem o nível da segurança ao redor dos nossos interesses e representações na França, para prevenir qualquer tipo de incidente”, disse a autoridade. “Também alertamos nossas missões, principalmente na Europa e, claro, na França, para ficarem alertas.”

Leia também:

Leia também: Curdos matam ao menos sete soldados, diz Turquia

Continua após a publicidade

Sakine Cansiz, fundadora do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), e duas outras ativistas foram encontradas mortas com tiros na cabeça na quinta-feira, em um ataque que complicou os esforços iniciais de paz entre o governo turco e a guerrilha. O partido turco Paz e Democracia, pró-Curdistão, condenou as mortes na quinta-feira e pediu aos curdos “onde quer que estejam” que protestassem. Há uma grande quantidade de curdos espalhados pela Europa.

Premiê – Também nesta sexta-feira, o primeiro-ministro turco, Recep Tayyip Erdogan, afirmou que o Exército não atacará os guerrilheiros do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) se eles se desarmarem e recuarem para suas bases do norte do Iraque. “Se fizeram essa promessa e quiserem sair do país após deixar as armas, vamos aprová-lo”, disse Erdogan a um grupo de jornalistas turcos no avião que o levava outra vez à Turquia após uma viagem por vários países africanos.

Erdogan assegurou que os contatos com o líder preso do PKK, Abdullah Ocalan, continuarão até chegar “a metas” que foram propostas, sem especificar quais. Segundo as autoridades turcas, o objetivo final das conversas com Ocalan é o desarmamento do PKK e pôr fim a quase 40 anos de confrontos armados.

(Com agências France-Presse e Reuters)

Publicidade