Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Suprema Corte limita poder de Biden para diminuir emissões de poluentes

Tribunal americano decidiu por 6 votos a 3 limitar os poderes da Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos

Por Matheus Deccache 30 jun 2022, 17h02

A Suprema Corte dos Estados Unidos decidiu nesta quinta-feira, 30, retirar parte do poder da Agência de Proteção Ambiental (EPA, em inglês) para reduzir as emissões de gases de efeito estufa. A decisão histórica representa um grande derrota para os planos climáticos do presidente Joe Biden

O caso contra a agência foi aberto pela Virgínia Ocidental em nome de mais 18 estados liderados principalmente por republicanos, e algumas das maiores empresas de carvão do país. No documento era questionado se a agência tem o poder de regular as emissões de aquecimento do planeta para setores de energia em todo o estado ou apenas usinas de energia individuais. 

+ Biden condena ‘erro’ da Suprema Corte e defende direito ao aborto por lei

Os 19 estados demonstraram preocupação com a possibilidade de que seus setores de energia fossem regulamentados e forçados a abandonar o uso de carvão a um custo econômico severo. Por 6 votos a 3, a Suprema Corte optou por ficar do lado das empresas e dos estados conservadores, dizendo que “o Congresso não deve ter a intenção de delegar decisões de tal significado econômico e político”.

O procurador-geral do Missouri, um dos estados envolvidos na ação, Eric Schmitt, chamou a decisão de “uma grande vitória que empurra para trás os regulamentos de eliminação de empregos de Biden e da EPA”.

Com a mudança, o tribunal não impediu completamente a agência de criar novos regulamentos no futuro, mas prevê que o Congresso tenha que autorizar claramente esse poder, algo que não vem acontecendo nos últimos meses. 

Continua após a publicidade

Grupos ambientalistas demonstraram profunda preocupação com a nova decisão, uma vez que os 19 estados envolvidos fizeram pouco progresso na redução de suas emissões. De acordo com ativistas do meio ambiente, trata-se de um “excesso judicial”.

Com o novo cenário, fica cada vez mais difícil para Biden cumprir suas promessas de campanha para frear o avanço das mudanças climáticas. Logo em seu primeiro dia de governo, o presidente democrata fez questão de colocar os Estados Unidos de volta no Acordo de Paris, acordo universal juridicamente vinculativo sobre metas para frear o aquecimento global. 

+ Cúpula do G7: entre o clima e a guerra na Ucrânia

Além disso, Biden prometeu também reduzir as emissões de gases do efeito estufa do país em 52% até 2030 em relação aos níveis de 2005. O resultado imposto pela Suprema Corte poderá trazer implicações para governos de todo o mundo, uma vez que os americanos são responsáveis por 14% de toda a emissão mundial. 

Além do impacto direto no meio ambiente, a mudança pode afetar também as responsabilidades regulatórias mais amplas existentes e futuras da EPA, que incluem proteção ao consumidor, segurança no local de trabalho e saúde pública. 

De acordo com especialistas, a decisão dá enorme poder aos tribunais estaduais para atacar outros regulamentos sob a justificativa de que o Congresso não autorizou explicitamente a agência a tomar determinada atitude em particular. 

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)