Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Sob comando do próprio Putin, Rússia anuncia testes de forças nucleares

Presidente russo supervisionará no sábado exercícios com mísseis balísticos e de cruzeiro com capacidade nuclear

Por Caio Saad Atualizado em 18 fev 2022, 11h47 - Publicado em 18 fev 2022, 11h46

Em meio à escalada de tensões entre Moscou e o Ocidente, que cita uma iminente invasão à Ucrânia, o presidente russo, Vladimir Putin, comandará no sábado exercícios com mísseis balísticos e de cruzeiro com capacidade nuclear.

“Em 19 de fevereiro de 2022, sob a direção do comandante em chefe das Forças Armadas da Rússia, Vladimir Putin, serão realizados exercícios planejados das Forças de Contenção Estratégica, em que serão lançados mísseis balísticos e de cruzeiro”, informou o Ministério da Defesa do país, por meio de comunicado.

Os exercícios, que segundo o Ministério da Defesa já estavam previstos, teriam objetivo de comprovar o estado de preparação da direção militar, as unidades de lançamento, as tripulações dos navios porta-mísseis, assim como verificar a confiabilidade das armas estratégicas nucleares e convencionais do arsenal russo.

+ Em meio à tensão na Ucrânia, embate entre Putin e Biden sobe de tom

O anúncio se dá em meio ao acirramento de tensões entre o país e o Ocidente. Enquanto a Rússia afirma ter retirado parte de suas tropas da fronteira com a Ucrânia e da Crimeia, os Estados Unidos e aliados da Otan, principal aliança militar ocidental, dizer estar analisando o movimento contrário, com movimentação de grupos táticos. De acordo com o Ocidente, há cerca de 150.000 soldados em diversas posições em torno de território ucraniano.

--
Foguetes disparados durante exercícios militares perto de Orenburg, Rússia, em dezembro. 16/12/2021 (Russian Defence Ministry Press Service/Divulgação)

Além disso, a Inteligência americana vem afirmando há semanas que a Rússia poderia buscar um pretexto, como uma operação com agentes infiltrados, para justificar uma eventual invasão.

Já antecipando possíveis preocupações e alertas, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, afirmou, em entrevista coletiva, que as manobras não devem preocupar o Ocidente, já que se trata de um treino “bastante regular”. Além disso, garantiu que vários países foram notificados, através de diferentes canais.

De acordo com o porta-voz, há possibilidade também de o líder de Belarus, Alexandr Lukashenko, atualmente em visita à Rússia, estar presente. Recentemente, exercícios militares conjuntos entre os dois países preocuparam o Ocidente, sobretudo por conta da movimentação de tropas na fronteira com a Ucrânia.

Durante as atividades militares conjuntas, encerradas no início desta semana, houve a transferência de cerca de 30.000 soldados, dois batalhões de sistemas de mísseis terra-ar e diversos caças para os arredores de Minsk.

Os treinamentos foram vistos pelos Estados Unidos e pela Otan, principal aliança militar ocidental, como pretexto para Moscou aumentar ainda mais o número de tropas ao longo da divisa com território ucraniano. A capital ucraniana, Kiev, fica a cerca de 200 quilômetros da fronteira com Belarus.

Continua após a publicidade

Na quinta-feira, em uma nova escalada retórica, o Ministério das Relações Exteriores da Rússia indicou que o país se verá obrigado a reagir, por meio de medidas “técnico-militares”, caso não haja disposição dos Estados Unidos de negociar as garantias de segurança exigidas por Moscou na Europa.

No texto, a Rússia acusa os EUA de não darem uma resposta construtiva às suas propostas de segurança, subvertendo sua essência e buscando vantagens para Washington e seus aliados. O documento foi entregue ao embaixador dos EUA em Moscou, John Sullivan, que se deslocou hoje à sede do Ministério das Relações Exteriores da Rússia.

O Kremlin é contra a possível adesão de Kiev à aliança militar da Otan e vem alertando que uma confirmação terá consequências graves. Segundo o presidente Vladimir Putin, uma eventual adesão do país vizinho à Otan é uma ameaça não apenas à Rússia, “mas também a todos os países do mundo”. De acordo com ele, uma Ucrânia próxima ao Ocidente pode ocasionar uma guerra para recuperar a Crimeia – território anexado pelo governo russo em 2014 –, levando a um conflito armado. 

A aliança, por sua vez, afirma que “a relação com a Ucrânia será decidida pelos 30 aliados e pela própria Ucrânia, mais ninguém” e acusa a Rússia de enviar tanques, artilharia e soldados à fronteira para preparar um ataque.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.