Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Síria: Cruz Vermelha negocia trégua para ajuda humanitária

Organização busca 'suspensão das hostilidades' para chegar a zonas afetadas

O Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICR) afirmou nesta segunda-feira que está negociando com as autoridades sírias “uma suspensão das hostilidades” para levar ajuda humanitária à população. O CICR estuda uma forma de levar ajuda especialmente à população das zonas mais afetadas, facilitando também o acesso do Crescente Vermelho sírio e outras organizações às populações necessitadas, declarou um porta-voz, Bijan Farnudi.

Entenda o caso

  1. • Na onda da Primavera Árabe, que teve início na Tunísia, sírios saíram às ruas em 15 de março para protestar contra o regime de Bashar Assad, no poder há 11 anos.
  2. • Desde então, os rebeldes sofrem violenta repressão pelas forças de segurança do ditador, que já mataram mais de 5.400 pessoas no país, de acordo com a ONU, que vai investigar denúncias de crimes contra a humanidade no país.

Leia mais no Tema ‘Revoltas no Mundo Islâmico’

Nesta segunda-feira, o regime sírio reforçou suas tropas na cidade rebelde de Homs (centro), onde a situação humanitária se torna insuportável, e mantém as forças em estado de alerta em Damasco, a capital, palco de manifestações inéditas nos últimos dias. Na “capital da revolução”, que continua sendo alvo de bombardeios pelo 16º dia consecutivo e para onde chegaram reforços de tropas no domingo, os militantes pediram que seja permitida a evacuação das mulheres e das crianças de Baba Amr, o bairro mais atingido pelos ataques.

“Pedimos que nos permitam retirar as mulheres e as crianças de Baba Amr”, declarou Hadi Abdullah, membro da Comissão Geral da Revolução Síria. “Os habitantes vivem no frio e em condições insuportáveis, esperam a morte”, acrescentou, quando desde 4 de fevereiro vários bairros de Homs estão sitiados e são bombardeados permanentemente pelas forças do regime para esmagar a revolta.

No domingo, Abdullah havia afirmado que “novos reforços militares foram enviados à cidade”, temendo que fossem utilizados para lançar um ataque contra Baba Amr ou atacar outros bairros rebeldes de Homs. “Desde o início da ofensiva, há a possibilidade de um ataque, mas não se sabe quando ele irá ocorrer”, disse.

(Com agência France-Presse)