Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Senado dos EUA confirma Gina Haspel como diretora da CIA

Primeira mulher a comandar a agência recebeu críticas por aplicação de métodos de tortura

O Senado dos Estados Unidos confirmou nesta quinta-feira (17) a nomeação de Gina Haspel como nova diretora da Agência Central de Inteligência (CIA), apesar da polêmica provocada por sua atuação na aplicação de métodos de tortura há uma década.

Haspel, de 61 anos, especialista em Rússia, se torna a primeira mulher a comandar a CIA. Ela ocupava interinamente o cargo desde que o diretor anterior, Mike Pompeo, assumiu como secretário de Estado.

Nesta quinta, a nomeação de Haspel foi aprovada por 54 votos a favor, 45 contra e uma ausência. Seis legisladores do opositor Partido Democrata votaram a favor da funcionária.

Na véspera, Haspel havia obtido o voto favorável à sua nomeação no Comitê de Inteligência no Senado, onde no fim do mês protagonizou uma audiência pública.

Durante essa audiência, Haspel se negou a condenar o uso de técnicas de tortura contra cidadãos estrangeiros suspeitos de serem “combatentes” contra os Estados Unidos durante a chamada “guerra ao terror”.

Estas torturas foram feitas em centros secretos de detenção que as forças de segurança americanas mantinham em vários países do mundo.

Haspel atuou inicialmente como agente disfarçada da CIA na Etiópia e no Azerbaijão. Posteriormente, pediu para ser transferida para a divisão de ações terroristas, onde começou a trabalhar em 11 de setembro de 2001, precisamente no dia dos atentados contra Nova York e Washington, que deixaram quase 3.000 mortos.

Na audiência, Haspel se negou inclusive a pronunciar a palavra “tortura” e se referiu simplesmente a um “programa de detenção de interrogatório”. No entanto, prometeu que, ao ser confirmada como diretora da CIA, não recorreria mais a esses métodos.

“Depois de ter servido durante estes tempos conturbados, ofereço meu compromisso pessoal, claro e sem reservas, de que sob a minha liderança a CIA não vai retomar estes programas de detenção e interrogatório”, disse Haspel na ocasião.