Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Putin pede cooperação brasileira e dos Brics contra ‘egoísmo’ do Ocidente

Presidente russo também denunciou líderes ocidentais por utilizarem meios financeiros 'para responsabilizar todos por seus próprios erros'

Por Da Redação Atualizado em 23 jun 2022, 12h54 - Publicado em 23 jun 2022, 12h50

A Rússia está pronta para ampliar ainda mais a cooperação multilateral com Brasil, Índia, China e África do Sul e promover o papel global dos países que formam os Brics, afirmou o presidente russo, Vladimir Putin, em reunião online nesta quinta-feira, 23, entre os líderes do grupo. A cooperação, segundo ele, ajudaria e enfrentar as “ações egoístas” do Ocidente, em referência clara às duras sanções a Moscou por conta da invasão à Ucrânia.

“Apenas com base em uma cooperação honesta e vantajosa para todos poderemos encontrar uma saída para esta situação de crise que afeta a economia mundial devido às ações egoístas e imprudentes de alguns países”, disse durante a cúpula virtual.

Em seguida, ele denunciou as tentativas de países ocidentais de utilizar meios financeiros “para responsabilizar todos por seus próprios erros na política macroeconômica”.

“Para que os países dos Brics assumam um papel de liderança, hoje é mais necessário do que nunca elaborar uma política unificadora e positiva, a fim de criar um sistema verdadeiramente multipolar”, completou.

A 14ª edição da Cúpula dos Brics, que reúne os países de mercado emergente, começou nesta quinta-feira sediada pela China. Em maio, durante a última reunião entre os chanceleres das nações, os chineses propuseram a expansão dos Brics e a sugestão foi bem recebida pelos outros membros, embora nenhum anúncio oficial sobre quem poderiam ser esses novos membros tenha sido feito.

As declarações de Moscou em torno das sanções, incluindo pedidos de apoio, não são necessariamente novas. Em abril, a Rússia pediu o apoio do Brasil no Fundo Monetário Internacional, Banco Mundial e G20 para conter as debilitantes sanções impostas pelo Ocidente, de acordo com uma carta obtida pela agência de notícias Reuters.

Continua após a publicidade

Ao Brasil, de acordo com a agência, o ministro das Finanças russo, Anton Siluanov, escreveu ao ministro da Economia brasileiro, Paulo Guedes, pedindo apoio brasileiro “para impedir acusações políticas e tentativas de discriminação em instituições financeiras internacionais e fóruns multilaterais”.

“Nos bastidores, uma iniciativa está em andamento no FMI e no Banco Mundial para limitar ou mesmo expulsar a Rússia de processos decisórios”, afirmou  Siluanov no documento.

Autoridades europeias alertam que a economia russa está “entrando em colapso” por conta das medidas econômicas. No começo deste mês, o ministro da Economia da Alemanha, Robert Habeck, afirmou que o corte de importações do gás e petróleo russo está afetando fortemente o desempenho da Rússia na guerra. 

Nos países aliados que participam das sanções, as exportações para a Rússia caíram 53% em relação aos meses anteriores, enquanto a queda entre os Estados neutros ou pró-Rússia foi de 45%, segundo o ministro.

“Putin ainda está recebendo dinheiro, mas… o tempo está correndo contra a Rússia”, disse ele.

A invasão da Ucrânia pela Rússia, principal fornecedor de gás da Europa, levou a União Europeia a repensar suas políticas energéticas. Antes da guerra, a Rússia fornecia 40% do gás do bloco e 27% de seu petróleo importado. Como estratégia para romper com sua dependência de combustíveis fósseis russos, o bloco lançou um plano de investimento de 210 bilhões na transição de países europeus para a energia verde até 2027.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)