Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

‘Economia russa está entrando em colapso’, diz ministro alemão

Robert Habeck, responsável pela Economia alemã, afirmou que sanções ocidentais estão afetando a capacidade de combate de Moscou na guerra

Por Da Redação 2 jun 2022, 16h58

O ministro da Economia da Alemanha, Robert Habeck, afirmou nesta quinta-feira ,2, que o corte de importações do gás e petróleo russo está afetando fortemente o desempenho da Rússia na guerra contra a Ucrânia.

“A economia russa está entrando em colapso”, disse Habeck em sessão do Parlamento alemão. Durante um debate sobre o orçamento do Ministério Federal da Economia e Proteção do Clima do país, o ministro defendeu que a Alemanha está cumprindo sua parte nas sanções impostas à Rússia ao reduzir as exportações de Moscou em 60% em março, com uma queda ainda mais acentuada esperada em abril.

+ O plano da Europa para deixar de depender do petróleo e gás russos

Nos países aliados que participam das sanções, as exportações para a Rússia caíram 53% em relação aos meses anteriores, enquanto a queda entre os Estados neutros ou pró-Rússia foi de 45%, segundo o ministro.

“Putin ainda está recebendo dinheiro, mas… o tempo está correndo contra a Rússia”, disse ele.

Como resultado das sanções, Moscou perdeu o acesso a elementos cruciais para sua capacidade de combate na guerra, como atualizações de segurança para aviões. Segundo Habeck, aviões russos em breve estarão sucateados.

Continua após a publicidade

A invasão da Ucrânia pela Rússia, principal fornecedor de gás da Europa, levou a União Europeia a repensar suas políticas energéticas. Antes da guerra, a Rússia fornecia 40% do gás do bloco e 27% de seu petróleo importado. Como estratégia para romper com sua dependência de combustíveis fósseis russos, o bloco lançou um plano de investimento de 210 bilhões na transição de países europeus para a energia verde até 2027.

+ União Europeia faz plano ‘massivo’ de energia verde para evitar gás russo

A Alemanha, maior economia do continente europeu, estava evitando impor embargos sobre importações da Rússia, uma vez que sua própria economia é muito dependente do gás russo.

A posição do país começou a mudar no final de março, com a pressão da União Europeia por punições mais pesadas à Rússia, devido a suspeitas de um massacre cometidos por soldados russos contra civis na cidade de Bucha, próxima à capital ucraniana,  Kiev.

A exigência do Kremlin de que os suprimentos de energia fossem pagos em rublos, moeda russa, também foi decisiva para a Alemanha começar a se livrar da dependência em relação ao país governado por Vladimir Putin.

Na ocasião, ocorrida no mês de abril, o chanceler alemão, Olaf Scholz, se comprometeu a abandonar o carvão e o petróleo russo até o final de 2022.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)