Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

‘Putin é responsável por morte de Navalny’, diz Biden

Presidente americano se juntou a coro de líderes que se pronunciaram sobre morte de opositor russo, anunciada nesta sexta-feira

Por Da Redação
Atualizado em 16 fev 2024, 20h49 - Publicado em 16 fev 2024, 15h54

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, responsabilizou o presidente russo, Vladimir Putin, pela morte do opositor Alexei Navalny, nesta sexta-feira, 16.

“Para não haver erro: Putin é responsável pela morte de Navalny”, disse o democrata. Putin não só mira cidadãos de outros países, como estamos vendo o que está acontecendo na Ucrânia — ele também comete crimes terríveis contra seu próprio povo”.

+ Alexei Navalny: quem era o rival político de Putin morto na prisão

A morte do opositor foi anunciada nesta sexta-feira pelo serviço penitenciário da região de Yamalo-Nenets, na Rússia, onde Navalny cumpria pena há cerca de três anos.

Continua após a publicidade

“Navalny sentiu-se mal após uma caminhada, perdendo quase imediatamente a consciência. A equipe médica chegou imediatamente e uma equipe de ambulância foi chamada. Foram realizadas medidas de reanimação que não produziram resultados positivos. Os paramédicos confirmaram a morte do condenado. As causas da morte estão sendo apuradas”, disse o comunicado oficial.

O governo russo disse ainda não ter nenhuma informação sobre a causa da morte de um dos principais adversários políticos do presidente Vladimir Putin.

Em discurso, o presidente americano também disse estar “ultrajado” pela notícia da morte do opositor, que, segundo ele, “se posicionou firmemente contra a corrupção, a violência e todas as coisas ruins que o governo de Putin estava fazendo”.

Continua após a publicidade

+ Jornalista russo Nobel da Paz diz que Navalny foi assassinado

“Mesmo na prisão, ele era uma poderosa voz pela verdade”, disse. “Ele poderia ter vivido em segurança no exílio após a tentativa de assassinato contra ele em 2020, que quase o matou (…) Em vez disso, regressou à Rússia – sabendo que provavelmente seria preso, talvez morto, se continuasse o seu trabalho. Mas fez isso. Porque acreditava profundamente no seu país, na Rússia”.

Biden também usou o caso para pressionar o Congresso americano a aprovar ajuda financeira à Ucrânia, em guerra com a Rússia desde 2022. “Temos de fornecer o financiamento para que a Ucrânia possa continuar a se defender contra os violentos ataques e crimes de guerra de Putin”, disse. O democrata afirmou que se os Estados Unidos não ajudarem a Ucrânia “nesse momento crítico”, “isso nunca será esquecido”.

Continua após a publicidade

Nesta semana, o Senado dos Estados Unidos aprovou um projeto de lei de 95,34 bilhões de dólares (cerca de 470 bilhões de reais) que prevê ajuda para Israel, Ucrânia e Taiwan. O projeto será enviado agora para a Câmara, onde deve enfrentar resistência.

Reações

Outras autoridades também se pronunciaram sobre o caso. O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, classificou a morte como “chocante”, de acordo com seu porta-voz, Stéphane Dujarric.

“Ele espera uma investigação completa, crível e transparente sobre as circunstâncias da morte sob detenção”, disse Dujarric.

Continua após a publicidade

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, disse estar “profundamente perturbada e triste” com a notícia da morte de Navalny, enquanto o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, disse que “Navalny comprometeu-se pelos valores de liberdade e democracia. Guerreiros morrem, mas a luta pela liberdade nunca acaba”.

Já o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, disse ser “óbvio que ele foi assassinado”.

“Putin não liga para quem morre, desde que esteja no poder. É por isso que ele deveria perder tudo. Ele deveria perder a guerra e deveria ser responsabilizado pelos crimes cometidos em seu nome”, disse durante entrevista coletiva em Berlim com o chanceler alemão, Olaf Scholz.

Continua após a publicidade

Scholz, por sua vez, disse que a morte é um “terrível sinal” de como a Rússia mudou nos anos recentes.

O secretário das Relações Exteriores britânico, David Cameron, afirmou que “Putin deveria ser responsabilizado pelo ocorrido – ninguém deveria duvidar da natureza terrível desse regime”.

Navalny

Navalny é um ex-advogado e tornou-se mundialmente conhecido há pouco mais de uma década por fazer críticas abertas contra Putin, por ter sido supostamente envenenado por homens do Kremlin e por expor uma suspeita rede de corrupção dentro do governo russo. Na década de 2010, quando ainda morava em sua terra natal, liderou um movimento contra o líder russo que levou milhares de pessoas às ruas do país.

O ativista foi detido por forças russas em janeiro de 2021 depois de retornar da Alemanha, onde foi tratado da suspeita de envenenamento. Ele foi condenado a nove anos de prisão por fraude, mas depois os tribunais russos aplicaram uma nova pena por “extremismo”, elevando a sentença para quase trinta anos. Ele também foi imputado por desrespeitar o Judiciário.

O ativista, por sua vez, acusava o governo russo de censura e de forjar provas para incriminá-lo.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.