Clique e assine a partir de 9,90/mês

Procuradoria da Venezuela pede 16 anos de prisão para prefeito de Caracas

Por Da Redação - 15 fev 2016, 18h18

A procuradoria da Venezuela ratificou nesta segunda-feira sua acusação contra o prefeito de Caracas, o opositor Antonio Ledezma, e pediu 16 anos de prisão para ele durante a audiência preliminar do caso. Segundo advogados e dirigentes políticos presentes na audiência, os procuradores pediram que Ledezma seja processado por conspiração e formação de quadrilha.

Ledezma está há quase um ano detido e atualmente se encontra em prisão domiciliar. Ele foi detido no dia 19 de fevereiro do ano passado por suposta conspiração contra o governo e esteve preso na prisão militar de Ramo Verde, próxima a Caracas, até que passou para a prisão domiciliar em 30 de abril por encontrar-se convalescente de uma cirurgia de hérnia.

Leia também:

Casa de prefeito opositor venezuelano é assaltada e pichada

Continua após a publicidade

Lei da anistia para presos políticos avança na Venezuela

Sua audiência preliminar foi suspensa em dez ocasiões nos últimos meses, uma situação que o advogado do prefeito qualificou de “aberrante injustiça”.

O prefeito é identificado com a ala da oposição liderada por Leopoldo López e foi acusado pela procuradoria em 7 de abril do ano passado de conspiração ao apoiar grupos que supostamente “pretendiam desestabilizar” o governo com ações violentas.

A causa contra Ledezma, segundo a procuradoria, tem relação com o caso dos venezuelanos Lorent Gómez Saleh e Gabriel Vales, expulsos da Colômbia em setembro de 2014 por ligação com “planos conspiratórios”.

Continua após a publicidade

Leia mais:

Venezuela oficializa denúncia de conspiração contra prefeito de Caracas

(Com EFE)

Publicidade