Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Presidente do Líbano acusa sauditas de deter premiê do país

Michel Aoun classificou como um “ato de agressão” o que considera ser a prisão de Saad Hariri pela Arábia Saudita

O presidente do Líbano, Michel Aoun, acusou a Arábia Saudita de promover um “ato de agressão” pelo que considera ser a “detenção” do primeiro-ministro do país, Saad Hariri. “Não aceitaremos que ele prossiga como um prisioneiro cuja razão para a detenção não sabemos”, declarou o oficial libanês em pronunciamento nesta quarta-feira, segundo a agência Reuters.

A declaração de Aoun, liderança cristã-maronita na política local, vem um dia após Hariri afirmar por meio de seu Twitter que voltaria ao Líbano “em dois dias”. “Nada justifica Hariri não ter retornado ao Líbano depois de doze dias, portanto consideramos que ele esteja detido”, disse o presidente libanês, adicionando que a suposta detenção do primeiro-ministro de seu país pelas autoridades sauditas é “uma violação da Convenção de Viena e dos direitos humanos”.

O premiê libanês está na Arábia Saudita desde o dia 4 de novembro, quando anunciou de Riad que deixaria o seu posto no governo. No último domingo, depois de o Hezbollah ter denunciado que os sauditas estariam impedindo o retorno do político ao seu país e afirmado que a renúncia ao cargo teria sido “forçada”, Hariri declarou em entrevista para uma TV do Líbano que ele e sua família não são prisioneiros.

Nesta quarta-feira, Hariri voltou a escrever em sua conta no Twitter que “está tudo bem” e “que, se Deus quiser, voltarei ao meu querido Líbano como prometi”.  Apesar de o parlamentar libanês Okav Sakr ter dito à Reuters que conversou hoje com o primeiro-ministro, membro de seu partido, e que este assegurou que ele e nem seus familiares são prisioneiros na Arábia Saudita, o presidente Aoun, declarou que “confirmamos que sua família também está detida e é alvo de revistas todas as vezes que saem e voltam a casa”.

O ministro de Relações Exteriores da França, Jean-Yves Le Drian, desembarca nesta quarta-feira na Arábia Saudita. O oficial terá uma reunião com o príncipe herdeiro Mohamed bin Salman e, na quinta-feira, Le Drian deve se encontrar com Hariri, informou a rede Al Jazeera. Na última quinta-feira, o presidente francês Emmanuel Macron fez uma visita-surpresa ao reino e afirmou que Hariri não é prisioneiro das autoridades sauditas.