Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Presidente de Cuba defende ampliação do comércio com os EUA

Em reunião empresarial, governo da ilha e autoridades do setor agrícola dos Estados Unidos chegaram a levantar possibilidade de fim de embargo econômico

Por Da Redação Atualizado em 7 abr 2022, 15h28 - Publicado em 7 abr 2022, 11h23

O presidente de Cuba, Miguel Díaz-Canel, defendeu a ampliação do comércio com os agricultores dos Estados Unidos durante a III Conferência Empresarial Agrícola Cuba-EUA, que começou nesta quarta-feira, 6. O encontro realizado no Palácio da Revolução, em Havana, reuniu grupos de produtores e autoridades do setor agrícola americano, que também sinalizaram a intenção de fechar parcerias comerciais com a ilha.

Em publicação na conta oficial da Presidência cubana no Twitter, Díaz-Canel reconheceu o papel da indústria agrícola americana na promoção dos laços entre os dois países. “Podemos aprender muito com vocês sobre a aplicação da tecnologia e o desenvolvimento de produções que sabemos que são muito eficientes”, ressaltou. 

Na abertura do encontro empresarial, o presidente da Coalizão Agrícola Cuba-EUA, Paul Johnson, também declarou a vontade de trabalhar junto com os produtores da ilha, e chegou a prever um possível fim no embargo econômico entre os países.

“Viemos aqui para melhorar nossas relações e também para acabar com o embargo”, declarou.

Continua após a publicidade

Johnson afirmou que o embargo econômico aplicado pelo governo de seu país a Cuba “limita o comércio entre os dois países de maneira muito significativa, pois precisamos procurar maneiras de remover as barreiras”.

Segundo a Associação Nacional de Departamentos Estaduais de Agricultura dos Estados Unidos, se não existisse o embargo contra Cuba, o intercâmbio agrícola bilateral seria de cerca de 1 bilhão de dólares por ano, contra os atuais 250 milhões. Estimativas do governo cubano apontam que o embargo custou à ilha quase 148 bilhões de dólares em perdas nos últimos 60 anos.

A medida que bloqueia os negócios entre a ilha e os EUA está em vigor desde a década de 60, quando o governo de John F. Kennedy ampliou restrições às importações cubanas. Na época, o embargo era uma resposta da Casa Branca aos prejuízos causados pela Revolução de Fidel Castro aos negócios norte-americanos na ilha.

Embora tenha sido parcialmente atenuado no governo de Barack Obama, o embargo foi reforçado durante a Presidência de Donald Trump. As restrições impostas pelo ex-chefe de Estado americano foram apontadas pelo atual presidente de Cuba como responsáveis pela recente crise econômica no país, que provocou protestos populares de magnitude inédita em julho do ano passado.

Castigados pela escassez de comida e remédios em combinação com os efeitos da pandemia de Covid-19 , os cubanos se organizaram pelas redes sociais e saíram às ruas das principais cidades do país.

A grave crise econômica que assombra Havana e a pressão popular por mudanças têm feito o governo Díaz-Canel iniciar uma série de reformas, ainda que restritas. Em setembro de 2021, Cuba emitiu a primeira autorização para o funcionamento de empresas privadas desde a Revolução Comunista, em 1959.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)