Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Portugal reconhece culpa por escravidão no Brasil e fala em reparação

Pela 1ª vez, um presidente português assumiu responsabilidade por crimes da era colonial, mas não especificou qual seria o formato da reparação

Por Da Redação
Atualizado em 8 Maio 2024, 12h59 - Publicado em 24 abr 2024, 12h07

O presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, reconheceu durante uma conversa com jornalistas na noite de terça-feira 23 que seu país foi responsável por uma série de crimes contra africanos e indígenas na era colonial no Brasil, e que deveria pagar por isso. O líder português afirmou ainda que sugeriu a seu governo fazer reparações pela escravidão.

(Portugal) assume total responsabilidade pelos danos causados”, disse ele, referindo-se a massacres a indígenas, à escravização de milhões de africanos e bens saqueados. “Temos que pagar os custos. Há ações que não foram punidas e os responsáveis não foram presos? Há bens que foram saqueados e não foram devolvidos? Vamos ver como podemos reparar isso”, declarou.

Na conversa, no entanto, o presidente português não especificou de que forma a reparação será feita. A ideia de pagar reparações ou tomar outras medidas pela escravidão transatlântica vem ganhando força em todo o mundo, em especial entre ex-colônias britânicas, incluindo esforços para estabelecer um tribunal especial sobre a questão.

Posição inédita

Esta foi a primeira vez que um presidente de Portugal reconhece a culpa por crimes cometidos no período colonial brasileiro. No ano passado, Rebelo de Sousa já havia defendido que seu país deveria se desculpar pela escravidão transatlântica e pelo colonialismo, mas agora afirmou que assumir a responsabilidade pelo passado era mais importante do que pedir desculpas.

Continua após a publicidade

“Pedir desculpas é a parte mais fácil”, explicou ele.

Portugal foi o país que mais traficou africanos na era colonial – quase 6 milhões, perto da metade do total de pessoas escravizadas pelos países europeus na época. Pelo menos 12,5 milhões de africanos foram sequestrados, transportados à força por longas distâncias, principalmente por navios e comerciantes europeus, e vendidos como escravos.

Até hoje, porém, fala-se pouco do crime no país. Escolas tampouco abordam o papel da então potência marítima na escravidão.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.