Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

ONU: situação em campo de refugiados em Damasco é ‘além de desumana’

O grupo jihadista Estado Islâmico tomou o campo de refugiados palestinos de Yarmouk e impede que a ajuda humanitária chegue aos civis. Sírios bombardeiam o campo

Por Da Redação 6 abr 2015, 11h03

Bombardeios e confrontos esporádicos foram registrados num campo de refugiados palestinos de Yarmouk na capital síria nesta segunda-feira. A situação no local, que está sob ataque de extremistas islâmicos, foi descrita por Chris Gunness, funcionário da Organização das Nações Unidas (ONU), como “além de desumana”. O Observatório Sírio pelos Direitos Humanos, ONG sediada em Londres, informou que desde domingo a Força Aérea síria, fiel ao ditador Bashar Assad, tem lançado várias bombas no campo. O porta-voz do Grupo de Ação para os Palestinos na Síria, Fayez Abu Eid, afirmou que a situação é “catastrófica”.

Extremistas do Estado Islâmico (EI) invadiram o local, que fica ao sul de Damasco, na quarta-feira. O ataque é o mais próximo da capital síria que o grupo terrorista já perpetrou. Autoridades palestinas e ativistas sírios disseram que os extremistas se uniram a um grupo rival, afiliado à Al Qaeda, a Frente Nusra, nas ações no local. Os dois grupos travaram violentos confrontos em outras partes do país, mas parecem estar cooperando no ataque a Yarmouk. Em comunicado, a Frente Nusra informou que tem “posição neutra” no campo de refugiados.

Leia também

Estado Islâmico toma campo de refugiados nos arredores de Damasco

Imagem de menina síria ‘se rendendo’ diante de câmera fotográfica se torna viral

Segundo Abu Eid, no interior de Yarmouk, onde ainda estão muitos civis que não conseguiram fugir, não há água nem comida. O diretor de Assuntos Políticos da Organização para a Libertação da Palestina (OLP) em Damasco, Anwar Abdul Hadi, disse que o EI dominava 90% do campo.

Continua após a publicidade

Gunness, porta-voz da agência da ONU que apoia os refugiados palestinos, disse em Barcelona, na noite de domingo, que a agência não tem conseguido enviar alimentos ou comboios para o campo desde o início dos confrontos. “Isso significa que não há comida, não há água e há poucos medicamentos”, disse ele. “A situação no campo é além de desumana. As pessoas estão presas em suas casas, há confrontos nas ruas. Há relatos de bombardeios. Isso tem de parar e os civis devem ser retirados”.

Leia mais

Depois de fugir da guerra, sírios enfrentam falta de comida e água

Brasileira relata trabalho humanitário em campo de refugiados sírios

A ONU afirma que cerca de 18.000 civis, dentre eles uma grande quantidade de crianças, não pode sair de Yarmouk. O campo está sob cerco do governo há quase dois anos, o que leva à fome e à proliferação de doenças. Antes do início do conflito na Síria em março de 2011, cerca de 160.000 pessoas moravam no local, das quais apenas 12.000 continuavam no campo na semana passada, segundo dados da OLP.

(Da redação)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês