Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

ONU alerta que temperatura do planeta pode subir 2,7 graus neste século

Compromissos atuais para cortar emissões de gases do efeito estufa são insuficientes e deixam planeta em caminho 'catastrófico', diz relatório

Por Da Redação 27 out 2021, 12h40

Os compromissos atuais dos países para cortar emissões de gases causadores do efeito estufa deixam o planeta no caminho de um “catastrófico” aumento da temperatura do planeta em 2,7 graus Celsius, alertou a Organização das Nações Unidas nesta terça-feira, 26. A dura mensagem foi feita poucos dias antes da 26ª Conferencia das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas, principal fórum político para enfrentar a crise climática e marcado para a primeira quinzena de novembro na cidade escocesa de Glasgow. 

“Para ter a chance de limitar o aquecimento global a 1,5 grau, temos oito anos para reduzir as emissões de gases de efeito estufa quase pela metade. O relógio está correndo ruidosamente”, enfatizou a diretora executiva do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, Inger Andersen, após a divulgação do relatório “Emissions Gap Report”. 

Segundo o documento, que está em sua 12ª edição, as emissões previstas pelos Estados e as medidas de mitigação anunciadas ainda são insuficientes para atingir o objetivo traçado em 2015 pelo Acordo de Paris: limitar o aumento da temperatura neste século para menos de 2 graus e, idealmente, a 1,5 graus Celsius.

Em tom similar, em relatório publicado em agosto, especialistas do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC) da ONU, afirmaram que a atividade humana está alterando o clima do planeta de maneiras “sem precedentes” e que algumas das mudanças já se tornaram “irreversíveis”.

Continua após a publicidade

Segundo o IPCC, os picos de temperatura passarão a ser mais frequentes conforme o planeta fica mais quente. Não existem mais dúvidas de que a humanidade é a responsável pelo avanço do aquecimento global. Para os cientistas, a questão não é mais se a temperatura poderá ou não subir, mas sim quanto.

Para atingir o objetivo de minimizar os danos, e limitar o aumento da temperatura neste século para os patamares desejados, o relatório publicado na terça-feira pelo PNUMA afirma que seria necessária uma redução anual adicional, acima dos compromissos atuais, de 28 gigatoneladas de dióxido de carbono equivalente, medida usada para quantificar a massa dos gases de efeito estufa a partir do potencial de aquecimento. O relatório, no entanto, estima que, na taxa atual, as emissões globais serão de 60 gigatoneladas de dióxido de carbono equivalente.

Diante desse cenário, os compromissos assumidos por 49 países, em conjunto com a União Europeia (UE), para chegar a um estado de neutralidade de carbono — zero emissões líquidas de CO2 — poderiam fazer “uma grande diferença” e reduzir o aquecimento global em mais 0,5 grau Celsius.

Continua após a publicidade

No entanto, os planos atuais são “muito ambíguos” e não estão refletidos na Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC, na sigla em inglês), um documento apresentado por cada país com as emissões e políticas esperadas.

A poucos dias de seu início, a COP26 é a data limite para que países submetam propostas atualizadas para as contribuições nacionalmente determinadas. O Acordo de Paris prevê que a cada cinco anos os países revisem suas NDC e as levem a patamares mais ambiciosos. Até duas semanas atrás, 107 países e a União Europeia haviam revisado suas contribuições.

Da mesma forma, o documento destaca neste ano a necessidade de reduzir as emissões de metano — o segundo gás de efeito estufa que mais contribui para o aquecimento global — já que os compromissos atuais permitiriam apenas um terço da redução necessária para atingir a meta de 1,5 grau.

Continua após a publicidade

É previsto que durante a COP26 seja discutida a política global do metano, em debates encabeçados pelos Estados Unidos e União Europeia. A proposta é que a emissão desse gás seja reduzida em 30% até 2030, a partir dos níveis de 2002. O gás é muito mais poluente, mas dura menos que o dióxido de carbono. Com isso se obteria significativos progressos para se alcançar a meta de controle da temperatura do planeta.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.