Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

O que esperar da conferência da ONU sobre as mudanças climáticas

Os debates decisivos que marcarão a COP26, que ocorrerá na cidade de Glasgow em novembro, resumidos em cinco pontos

Por Da Redação Atualizado em 25 out 2021, 14h13 - Publicado em 25 out 2021, 13h55

Definida por líderes globais como um “ponto de virada” nas questões que envolvem o aquecimento global, a 26ª Conferencia das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas acontece na primeira quinzena de novembro na cidade de Glasgow, na Escócia. Com grandes expectativas em torno das discussões que envolverão lideres de 200 países, cinco fatores deverão concentrar a maior parte da atenção.

1) As metas de cada governo

A COP26 é a data limite para os países signatários do Acordo de Paris submeterem propostas atualizadas para a contribuições determinadas nacionalmente (NDC, na sigla em inglês). Essas propostas expõem as iniciativas que os países planejam adotar pra reduzir suas emissões de carbono e demais gases que provocam o efeito estufa.  As NDC permitem aos países estabelecer suas próprias estratégias de ação e foram determinantes para o sucesso do Acordo de Paris, assinado em 2009. No entanto, até agora, as propostas apresentadas ainda são insuficientes para manter o limite estabelecido de manter o avanço da temperatura global em menos de 2oC., entre o início da era industrial até hoje.

O Acordo de Paris prevê que a cada cinco anos os países revisem suas NDC e as levem a patamares mais ambiciosos. Até duas semanas atrás, 107 países e a União Europeia haviam revisado suas contribuições. Os que não fizeram, têm até o inicio da conferencia para fazê-lo. Isso significa que muito do tempo dedicado às discussões girará em torno dessas metas.

2) O tamanho da conta

Outro grande debate é sobre quem pagará a conta para que os países em desenvolvimento consigam fazer parte do processo de combate ao aquecimento global. Desde 2009, os países ricos vinham prometendo que fariam contribuições que aumentariam progressivamente e chegariam a 100 bilhões de dólares por ano em 2020. Até hoje esse valor não foi alcançado. E muito países colocaram tal apoio como condição para suas NDCs.

Continua após a publicidade

Os países pobres, principalmente os mais vulneráveis às mudanças climáticas, como os da África e de pequenas nações insulares também reivindicarão por reparações por perdas e danos a partir dos problemas que já estão sofrendo com o aquecimento global. Apesar de ter encontrado um apoio superficial tal princípio enfrenta uma velada resistência dos países ricos.

4) Metano, carvão e mercado de créditos de carbono

Entre outros debates a serem discutidos estão a politica global do metano a ser encabeçado pelos Estados Unidos e União Européia. A proposta é que a emissão desse gás seja reduzida em 30% até 2030, a partir dos níveis de 2002. O gas é muito mais poluente mas dura menos que o dióxido de carbono. Com isso se obteria significativos progressos para se alcançar a meta de controle da temperatura do planeta. O Reino Unido também pressiona para que os países abandonem o uso de carvão como fonte de energia. Outras discussões deverão envolver as regras para se estabelecer um mercado global de créditos de carbono.

5) O mundo dos negócios e o meio ambiente

A COP26 assim como aconteceu nas versões anteriores, será uma oportunidade para empresas e investidores demonstrarem seus compromissos e políticas com relação às questões ambientais e climáticas. Isso será importante para gerar pressão no mundo empresarial como um todo pela redução dos impactos ambientais das atividades industriais e econômicas. É justamente essa convergência de interesses entre as propostas dos líderes globais e dos empresariais e financeiros que torna a cúpula tão relevante.

 

Continua após a publicidade

Publicidade