Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Netanyahu admite ‘não ter sucesso’ em reduzir mortes de civis em Gaza

Primeiro-ministro de Israel afirma que 'o Hamas está fazendo tudo' para manter a população palestina em perigo constante

Por Da Redação
Atualizado em 17 nov 2023, 15h01 - Publicado em 17 nov 2023, 08h59

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, disse na noite de quinta-feira 16 estar fazendo “tudo o que pode” para proteger a população da Faixa de Gaza, enquanto trava sua guerra contra o grupo terrorista palestino Hamas, mas admitiu que “não teve sucesso” em diminuir as mortes de civis.

Em entrevista à televisão americana CBS News, o premiê israelense afirmou que “qualquer morte de civil é uma tragédia”.

“Estamos fazendo tudo o que podemos para tirar os civis do perigo, enquanto o Hamas está fazendo tudo para mantê-los em perigo”, disse ele. “Enviamos panfletos, telefonamos para eles em seus celulares e dizemos: ‘Vão embora’. E muitos foram embora”, completou.

+ Palestinos em Gaza sofrem ‘ameaça imediata’ de morrer de fome, diz ONU

Israel afirmou que o objetivo de sua campanha militar é “eliminar o Hamas”, mas sustenta que os terroristas usam a população como “escudos humanos” para se protegerem dos ataques israelenses.

“A outra coisa que posso dizer é que tentaremos terminar esse trabalho com o mínimo possível de vítimas civis. É isso que estamos tentando fazer: o mínimo de vítimas civis. Mas, infelizmente, não temos sucesso”, admitiu.

A campanha militar de Israel, que dura mais de um mês, foi uma resposta ao ataque do Hamas em 7 de outubro, que, segundo Israel, matou 1.200 pessoas, a maioria civis. O grupo também fez cerca de 240 pessoas de diferentes nacionalidades como reféns.

Continua após a publicidade

+ Lula fala a presidente de Israel sobre resgate de mais brasileiros de Gaza

No entanto, o peso das investidas israelenses recaiu sobre a população comum de Gaza. As autoridades de saúde locais, controladas pelo Hamas, mas consideradas confiáveis pelas Nações Unidas, dizem que pelo menos 11.500 pessoas morreram devido aos bombardeios e a invasão terrestre de Israel – mais de 4.700 delas, crianças.

Dois terços da população de 2,3 milhões de habitantes da Faixa de Gaza ficaram sem abrigo em razão da guerra. Na quinta-feira 16, a força aérea de Israel lançou mais panfletos no território palestino, agora no sul, pedindo que deixassem a região para sua própria segurança.

Continua após a publicidade

No início do conflito, Israel também usou panfletos no norte de Gaza para o mesmo propósito. Mais de 600 mil pessoas deixaram suas casas, um deslocamento em massa que muitos palestinos temem que se possa tornar permanente.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.