Clique e assine com até 92% de desconto

Líder da oposição a Putin é libertado na Rússia

Alexei Navalni organiza um boicote às eleições presidenciais depois de ter sido impedido de participar do pleito

Por Da redação 29 jan 2018, 09h28

O líder opositor russo Alexei Navalni, que havia sido detido durante um protesto em Moscou, foi libertado no domingo à noite. O principal opositor de Vladimir Putin, contudo, ainda enfrentará um processo judicial por sua participação nas manifestações de ontem.

Milhares de pessoas responderam neste domingo a sua convocação para protestos contra as eleições presidenciais de 18 de março. O líder opositor está proibido de participar do pleito.

Navalni foi detido minutos depois de chegar à rua Tverskaya, uma das principais de Moscou, onde se reuniram seus partidários. A polícia local disse que o opositor provocou os agentes para que eles o prendessem, segundo a emissora Dozhd.

O russo está proibido de participar das eleições por seus antecedentes criminais. Navalni, contudo, considera as acusações contra ele um tipo de perseguição política.

  • Segundo a advogada do opositor, ele agora deverá se apresentar à Justiça russa e prestar depoimento por participar de uma manifestação não autorizada. A polícia ainda não comunicou o dia da audiência.

    “Hoje foi um dia importante (…) obrigado a todos que não têm medo de lutar por seus direitos”, afirmou Navalny no Twitter, depois de ser libertado.

    Continua após a publicidade

    Segundo a agência de notícias AFP, mais de 4.000 pessoas participaram do protesto em Moscou. Em São Petersburgo (noroeste), cerca de 1.500 manifestantes gritavam “Rússia sem Putin”, rodeados por um importante dispositivo policial.

    Milhares de manifestantes protestaram em cerca de 120 cidades na Rússia central, na Sibéria e inclusive no extremo oriente russo, apesar de temperaturas de -45ºC. Cerca de 180 manifestantes foram detidos em todo o país por incentivar ou participar do boicote às eleições presidenciais, segundo a plataforma de mídia de defesa à democracia OVD-info.

    (Com EFE e AFP)

    Continua após a publicidade
    Publicidade