Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Israel aprova controversa lei que reduz poder do Judiciário

A medida enfrenta oposição da população israelense, que vai às ruas desde janeiro, e de importantes parceiros internacionais, como os EUA

Por Da Redação
Atualizado em 24 jul 2023, 11h20 - Publicado em 24 jul 2023, 11h00

O parlamento de Israel aprovou nesta segunda-feira, 24, o plano do governo para enfraquecer o poder dos tribunais do país. O voto favorável ocorreu apesar de seis meses de protestos de rua, manobras e negociações parlamentares e advertências internacionais, principalmente dos Estados Unidos.

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, que deixou o hospital nesta manhã após colocar um marca-passo, é o patrono da reforma do sistema judicial. Ele e seus aliados argumentam que as mudanças são necessárias para reequilibrar os poderes entre Judiciário, Legislativo e Executivo.

+ Manifestantes iniciam ‘dia de revolta’ contra reforma judicial em Israel

Críticos, contudo, caracterizam a proposta como “golpista” e alegam que a nova lei ameaça transformar Israel em uma ditadura, porque remove os principais freios e contrapesos às ações do governo.

No início deste ano, Netanyahu foi forçado a interromper a votação no legislativo devido a protestos generalizados e pressão internacional. Nesta segunda-feira, diversas manifestações pipocaram no país, inclusive ao redor do parlamento israelense, o Knesset, mas a população foi recebida pela polícia com canhões de água e cercas de arame farpado, prendendo pelo menos 12 pessoas.

Continua após a publicidade

+ Os efeitos políticos da pressão popular sobre Netanyahu

O presidente americano, Joe Biden, afirmou que aprovar o plano sem amplo consenso equivale a uma erosão das instituições democráticas e pode minar as relações entre Estados Unidos e Israel. O comentário é relativamente incomum, já que Washington não costuma opinar sobre a política interna de outros países.

“Dada a gama de ameaças e desafios que Israel enfrenta agora, não faz sentido que os líderes israelenses se apressem – o foco deve ser reunir as pessoas e encontrar consenso”, disse Biden.

+ Insensato: por que Israel está comprando briga com os Estados Unidos

Aprovada após meses de discussões no Knesset, a “lei da razoabilidade” tem objetivo de retirar da Suprema Corte o poder de declarar as decisões do governo inconstitucionais. Além disso, o governo, atualmente formado por uma coalizão de extrema direita, passa a ter mais controle sobre a nomeação de juízes.

A Ordem dos Advogados de Israel já está preparando uma contestação judicial à lei. A reforma judicial também gerou ameaças de reservistas militares: mais de 1 mil oficiais da reserva prometeram deixar a Força Aérea de Israel mediante aprovação do texto.

O chefe do Estado-Maior das Forças de Defesa de Israel alertou os reservistas contra essa medida. “Nenhum militar tem o direito de dizer que não servirá mais”, disse o tenente-general Herzi Halevi.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.