Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Inglaterra e País de Gales proíbem cães da raça American Bully

Restrição já havia sido anunciada pelo primeiro-ministro britânico, Rishi Sunak, em setembro do ano passando, dias após um homem ter sido morto por ataque

Por Da Redação
Atualizado em 7 Maio 2024, 15h59 - Publicado em 31 jan 2024, 15h22

A Inglaterra e o País de Gales passarão a proibir a partir desta quinta-feira, 1, cães não registrados da raça American Bully XL como parte de uma tentativa do governo de reduzir o número de ataques violentos. A restrição já havia sido anunciada pelo primeiro-ministro do Reino Unido, Rishi Sunak, em setembro do ano passando, dias após um homem ter sido morto por um cachorro da raça.

“Está claro que não se trata de um punhado de cães mal treinados, é um padrão de comportamento e não pode continuar”, escreveu o premiê no X, antigo Twitter.

ewewew
American Bully (Ali Çobanoğlu/Getty Images)

Até o momento, cerca de 30 mil Bullies foram registrados para que seus donos recebam um certificado de isenção, de forma a permitir a permanência dos animais. O documento, no entanto, demanda que os pets usem focinheira em público e sejam esterilizados para impedir a reprodução. A longo prazo, o plano do governo prevê o desaparecimento da raça dos horizontes ingleses e galeses.

Continua após a publicidade

+ Reino Unido vai proibir cães American Bully até final do ano

Escalada de ataques

Em entrevista à agência de notícias Reuters, a escritora Sonia Faleiro, 46 anos, relembrou um episódio traumático. Três cães ‘XL Bully’ mataram sua cadela, Zoey, da raça Jack Russell, e feriram seu marido, que tentava separar os animais. Desesperada, a filha, que não teve nome e idade identificados, testemunhou a morte do animal de estimação e as mordidas contra o pai. 

“Mesmo enquanto ele estava lutando contra esse cachorro e tentando libertar Zoey das mandíbulas do cachorro, os outros dois cachorros entraram na briga e tentaram agarrar Zoey como se ela fosse um brinquedo e eles iriam despedaçá-la”, contou. 

Continua após a publicidade

Um levantamento do grupo de campanha Bully Watch, que defende a proibição da venda e criação da raça American Bully, estima que eles foram responsáveis por mais da metade de todos os ataques fatais de cães na Grã-Bretanha em 2022. No ano passado, uma menina de 11 anos também foi alvo de mordidas, enquanto caminhava para fazer compras com a irmã na cidade inglesa de Birmingham.

+ Príncipe Andrew torna-se guardião dos amados cães corgi da rainha

Críticas à medida

Ainda no ano passado, diferente instituições britânicas defensoras do bem-estar animal criticaram a declaração do primeiro-ministro e afirmaram que proibir raças específicas de cães não é a solução. Em uma declaração conjunta, eles indicaram que as medidas deveriam ser voltadas para “regulamentações de controle de cães e na promoção da posse e treinamento responsável de cães”, não para o banimento.

Continua após a publicidade

Maior instituição de caridade britânica para o bem-estar animal, a RSPCA admitiu que são necessárias regras para a proteção do público. Ao mesmo tempo, se opôs à rígida legislação, acrescentando que “a raça não é um indicador bom ou confiável de risco de comportamento agressivo”.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.