Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Imprensa internacional chama Bolsonaro de ‘controverso’ e ‘provocador’

Em discurso na ONU, presidente fez defesa a remédios e tratamentos sem eficácia contra a Covid-19 e declarações distorcidas sobre o combate ao desmatamento

Por Da Redação Atualizado em 21 set 2021, 14h13 - Publicado em 21 set 2021, 13h23

Ao mesmo tempo em que o presidente Jair Bolsonaro discursava na 76ª sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas nesta terça-feira, 21, e dava início à sessão, as primeiras repercussões sobre seu posicionamento já começavam a surgir nas redes sociais e nos principais veículos da mídia internacional. Para alguns veículos, o presidente adotou um tom “provocador”, além de ser uma “figura controversa” e, claro “não vacinado”.

Para o jornal americano New York Times, Bolsonaro começou a Assembleia Geral “defendendo o uso de remédios ineficazes para o tratamento de coronavírus e afastando críticas ao histórico ambiental de seu governo”. “Não vacinado e provocador, Bolsonaro tentou evitar críticas em discurso da ONU”, diz o texto.

"Não vacinado e desafiador, Bolsonaro se defende de críticas no discurso da ONU", diz texto do New York Times.
“Não vacinado e desafiador, Bolsonaro se defende de críticas no discurso da ONU”, diz texto do New York Times. New York Times/Reprodução

Para o Washington Post, o presidente quebrou um ‘sistema de honra’ da ONU ao não estar vacinado. O jornal classificou o discurso como “desafiadoramente estranho para um evento que deve focar principalmente na resposta global à pandemia”.

Já o argentino Clarín ressaltou a fala do presidente sobre o Brasil estar “à beira do socialismo” e o fato de ele ter afirmado que não há corrupção em seu governo. Ele “é investigado por um escândalo na tentativa de compra fraudulenta de vacinas”, destacou o periódico.

Manchete do jornal argentino Clarín sobre discurso de Bolsonaro.
Manchete do jornal argentino Clarín sobre discurso de Bolsonaro. Clarín/Reprodução

O britânico The Guardian afirmou que o presidente brasileiro mostrou ser uma “figura controversa durante a pandemia” ao minimizar os impactos da Covid-19 e se recusar a ser vacinado.

Organizações Internacionais

Falas nas quais defendia remédios e tratamentos sem eficácia contra a Covid-19 e declarações distorcidas sobre o combate ao desmatamento no Brasil foram criticadas por organizações internacionais ligadas a temas como direitos humanos, meio ambiente e combate à corrupção.

Desde o início da pandemia apoiamos a autonomia do médico na busca do tratamento precoce. Eu mesmo fui um desses que fez tratamento inicial”, disse, sobre ter tomado cloroquina quando teve a doença. “Não entendemos por que muitos países, juntamente com grande parte da mídia, se colocaram contra o tratamento inicial”.

“A história e a ciência saberão responsabilizar a todos”, afirmou Bolsonaro sobre o uso do tratamento precoce, que foi desaconselhado por médicos e cientistas em todo o mundo. 

Segundo a organização de direitos humanos Human Rights Watch, o presidente brasileiro “fechou os olhos para a ciência” ao não mencionar os quase 600.000 mortos pela Covid-19, o segundo número mais alto no mundo.

O Greenpeace Brasil, por sua vez, destacou que “declarações falsas, distorcidas ou negacionistas de Bolsonaro são sempre recorrentes em seus pronunciamentos públicos”.

Continua após a publicidade

A organização citou a fala do presidente de que houve uma redução nos índices de desmatamento, apresentando dados do sistema DETER, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, que indicam que este é o terceiro ano seguido em que o desmatamento ficou acima de 6.000 km2 no período de janeiro a agosto.

Em tom similar, o Observatório do Clima, coalizão de organizações da sociedade civil brasileira, afirmou que o presidente voltou à tribuna da ONU “para falar de um Brasil que só existe a seus olhos e de seus seguidores”.

“O governo Bolsonaro não tem nenhum compromisso com o clima. Sob sua gestão, todos os indicadores nesta agenda só pioraram”, afirmou o secretário-executivo Marcio Astrini. “Se o comportamento dos demais líderes globais fosse o mesmo do presidente brasileiro, a meta de estabilizar o aquecimento global em 1,5oC seria inalcançável”. 

Em nota à imprensa, a Oxfam Brasil disse que Bolsonaro “gastou boa parte de seu discurso” para “vender um país que só existe em campanhas publicitárias de seu governo”.

“Tal qual um mascate, oferece a investidores externos oportunidades que sonega à sua população e omite a imensa crise econômica e de credibilidade de seu governo”, diz o documento. “Se vangloria de uma legislação ambiental que não respeita e sabota, tece elogios ao agronegócio por alimentar ‘mais de 1 bilhão de pessoas no mundo’, mas que deixa quase 20 milhões de brasileiros com fome”.

A respeito das afirmações do presidente sobre o fato de que não há denúncias de corrupção em seu governo, a Transparência Internacional, organização sem fins lucrativos anticorrupção sediada em Berlim, afirmou que o governo brasileiro e políticos próximos “acumulam denúncias e são responsáveis pelo maior desmanche do combate à corrupção já ocorrido no Brasil”.

Em publicação no Twitter, a organização relembrou casos recentes de corrupção, como a acusação em 2019 contra o então ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antonio, de liderar um esquema de Caixa 2 usando laranjas durante campanha eleitoral no ano anterior. A ONG também citou investigações contra a família do presidente por esquemas de desvio de dinheiro público em gabinetes parlamentares.

Continua após a publicidade
Publicidade