Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Governo britânico aprova extradição de Julian Assange para os EUA

Wikileaks disse que vai apelar a decisão, enfatizando que o "próximo recurso será perante o Supremo Tribunal"

Por Da Redação Atualizado em 17 jun 2022, 09h50 - Publicado em 17 jun 2022, 09h48

A ministra do Interior do Reino Unido, Priti Patel, assinou nesta sexta-feira, 17, uma ordem para extraditar o fundador do WikiLeaks, Julian Assange, para os Estados Unidos, onde enfrenta acusações de espionagem. O Wikileaks disse que a decisão marca um “dia sombrio para a liberdade de imprensa”.

Um tribunal de Londres emitiu uma ordem formal de extradição em abril. Coube a Patel dar o passo final, confirmando sua transferência para os Estados Unidos após uma batalha de anos nas cortes.

No entanto, mais alguns meses de disputas legais devem se seguir: Assange tem o direito de apelar da decisão desta sexta-feira dentro de 14 dias, de acordo com um comunicado do Ministério do Interior. O Wikileaks disse que vai apelar, enfatizando que o “próximo recurso será perante o Supremo Tribunal”.

A organização afirmou que Assange “não cometeu nenhum crime e não é um criminoso”, acrescentando que ele é um “jornalista e editor” que “está sendo punido por fazer seu trabalho”.

“Este é um dia sombrio para a liberdade de imprensa e a democracia britânica. Qualquer um que se preocupe com a liberdade de expressão deveria se sentir profundamente envergonhado”, acrescentou o Wikileaks.

Na declaração de sexta-feira, o Ministério do Interior enfatizou que os tribunais do Reino Unido não consideraram que a extradição de Assange seria incompatível com seus direitos humanos, porque terá direito a julgamento nos Estados Unidos e será tratado conforme a lei.

Assange está atualmente na prisão de alta segurança Belmarsh, em Londres, onde está detido há três anos. Ele é procurado nos Estados Unidos por 18 acusações criminais depois que o WikiLeaks publicou milhares de arquivos confidenciais e telegramas diplomáticos em 2010. Se condenado, Assange pode pegar até 175 anos de prisão.

Em janeiro de 2021, uma decisão do tribunal de magistrados considerou que Assange não poderia ser extraditado, pois seria “opressivo”, em razão de sua saúde mental. Mas o Supremo Tribunal britânico anulou essa decisão em dezembro, dizendo que Assange poderia ser extraditado com base nas garantias dadas pelo governo dos Estados Unidos de que o trataria bem.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)