Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

G7 se compromete a ‘descarbonizar’ setor elétrico até 2035

Grupo prometeu ainda a "acabar com o apoio público direto a projetos sem mitigação no setor de energia fóssil"

Por Da Redação 27 Maio 2022, 15h31

O G7, grupo que reúne as maiores economias do mundo, concordou nesta sexta-feira, 27, em “descarbonizar predominantemente” os setores de eletricidade até 2035. A meta, de acordo com especialistas, pode ser um passo importante para evitar grandes mudanças climáticas. 

Os ministros do clima, energia e meio ambiente do G7 redigiram um documento de 40 páginas após reunião em Berlim, na Alemanha. O texto também se compromete com uma eventual eliminação da geração de energia a carvão, embora sem data estipulada. 

+ Espanha registra onda de calor ‘praticamente impossível’

A decisão sobre a descarbonização, no entanto, deixa margem para que os países continuem a usar combustíveis fósseis se os seus gases de efeito estufa forem “abatidos”, ou seja, quando forem “capturados” ou “sequestrados”. A tecnologia atual não consegue capturar 100% dos gases de efeito estufa emitidos pela queima de combustíveis fósseis.

O grupo, que tem como membros Estados Unidos, Canadá, França, Alemanha, Reino Unido, Itália e Japão, além da União Europeia, normalmente leva suas discussões sobre o clima para os encontros do G20, que juntos produzem 80% das emissões mundiais de gases de efeito estufa. 

Continua após a publicidade

A decisão desta sexta-feira foi tomada tendo como pano de fundo a guerra na Ucrânia, que acelerou a discussão para a transição para fontes de energias mais limpas. O documento instou ainda os países a bloquear os subsídios aos combustíveis fósseis destinados a resistir aos impactos do conflito. 

“Em vista do ataque russo à Ucrânia, o apoio financeiro a empresas e cidadãos afetados pelo forte aumento dos preços dos combustíveis fósseis está agora na agenda política de vários países. No entanto, pretendemos que essas medidas sejam temporárias e direcionadas e reafirmamos nosso compromisso com a eliminação de subsídios ineficientes a combustíveis fósseis até 2025”, disse o grupo em comunicado. 

+ Austrália vai às urnas em batalha sobre futuro do clima

O ministro alemão de Assuntos Econômicos e Ação Climática, Robert Habeck, disse em entrevista coletiva após a reunião que a quantidade de dióxido de carbono na atmosfera significa que o mundo não pode conter o aquecimento global a 1,5ºC acima dos níveis pré-industriais. Esse é o limite imposto pelos cientistas para evitar o agravamento das mudanças climáticas e levar os ecossistemas cruciais a pontos de inflexão.

De acordo com Phil MacDonald, diretor de operações do grupo de pesquisa de clima e energia Ember, em fala à rede CNN, a decisão “mudou o jogo para a transição global da eletricidade”. 

“A ciência mostra que a descarbonização da eletricidade até 2035 é a maneira mais rápida e barata de zerar as emissões de carbono”, disse, acelerando as projeções das nações desenvolvidas, que normalmente visam zerar emissões líquidas até 2050. 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)