Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Fumaça dos incêndios florestais no Canadá chega na Europa

A poluição, que já cobriu Canadá e EUA, atravessou o Atlântico e preocupa especialistas sobre aquecimento do Ártico

Por Da Redação
9 jun 2023, 12h24

A fumaça de centenas de incêndios florestais no Canadá, que já cobriu partes dos Estados Unidos e colocou cerca de 75 milhões de pessoas sob alerta de qualidade do ar, chegou até a Noruega nesta sexta-feira, 9. Nos últimos dias, as nuvens também se espalharam para Groenlândia e Islândia.

De acordo com cientistas do Instituto de Pesquisa Climática e Ambiental da Noruega (NILU), a fumaça foi detectada usando instrumentos muito sensíveis e a sua origem foi confirmada usando modelagem de previsão. Apesar dos noruegueses conseguirem sentir o cheiro e até perceber a fumaça como uma névoa leve, estão a salvo dos impactos à saúde.

“Os incêndios que viajam de distâncias tão longas chegam muito diluídos”, disse Nikolaos Evangeliou, cientista sênior do NILU à emissora americana CNN.

+ EUA e Canadá pedem que população use máscara devido a fumaça de incêndio

Nos próximos dias, é esperado que a nuvem se espalhe por faixas da Europa, mas é improvável que as pessoas consigam sentir o cheiro ou perceber a fumaça, ao contrário de partes dos Estados Unidos que enfrentam poluição perigosa provocada pela fumaça.

Que a fumaça de incêndios percorra longas distâncias não é um fenômeno incomum. Em 2020, resíduos de queimadas recordes da Califórnia foram detectados em Svalbard, um arquipélago norueguês localizado nas profundezas do Círculo Polar Ártico.

+ Fumaça de incêndios no Canadá chega aos EUA e causa alertas de saúde

Isso pode trazer impactos climáticos negativos. Quando a fumaça chega ao Ártico, deposita fuligem na neve e no gelo, escurecendo a superfície branca, o que faz com que ela absorva mais calor e acelere o aquecimento da região.

O Ártico já esquenta quatro vezes mais rápido que o resto do mundo e influencia outros eventos climáticos extremos ao redor do mundo, como os próprios incêndios florestais, ondas de calor e inundações.

Especialistas não esperam que os níveis de fuligem provenientes dos incêndios florestais canadenses tenham um impacto direto no derretimento do Ártico, porque são muito diluídos. Porém, a preocupação é que, se os incêndios nas altas latitudes aumentarem, mais fuligem deve contaminar progressivamente a neve.

Continua após a publicidade

Enquanto a crise climática se intensifica, é esperado que as temporadas de incêndios florestais aumentem em gravidade, especialmente à medida que as secas e o calor se tornam mais comuns e severos.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.