Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Evo Morales vai se candidatar ao Congresso da Bolívia

Ex-presidente ainda está proibido de concorrer à Presidência; para especialistas, processos por crimes de 'sedição e terrorismo' são impedimentos

Por Da Redação
Atualizado em 30 jul 2020, 19h30 - Publicado em 30 jan 2020, 16h38

O ex-presidente da Bolívia, Evo Morales, que renunciou em novembro passado após um mandato de quase 14 anos, vai concorrer a uma cadeira no Congresso nas eleições gerais de 3 de maio. Refugiado na Argentina desde dezembro, Morales autorizou seu advogado, Wilfredo Chávez, a registrá-lo como candidato nesta quinta-feira, 30, e “fazer uso de qualquer faculdade necessária para o sucesso do presente poder”.

Segundo comunicado divulgado também nesta quinta, Morales aceitou o pedido da Diretoria Departamental de Cochabamba do MAS (Movimento ao Socialismo) para ser designado candidato à Assembleia Legislativa”. MAS é o partido do ex-presidente.

Gonzalo Lema, ex-porta-voz da Corte Eleitoral, afirmou que Morales “não tem impedimento legal” para solicitar uma cadeira no Congresso porque “não tem sentença executória” perante o tribunal. A Bolívia renovará, além de presidente e vice-presidente, seus 36 senadores e 130 deputados.

A jurista Silvia Salame, ex-magistrada do Tribunal Eleitoral, também disse que uma cadeira no Congresso não afetaria os processos que Evo enfrenta por “sedição e terrorismo”, já que a “imunidade parlamentar” foi eliminada na Constituição de 2009 – promulgada pelo próprio Morales.

Ainda assim, o ex-presidente está impedido de participar das próximas eleições como candidato à presidência, depois que as eleições em outubro passado foram anuladas devido a “irregularidades” detectadas por uma missão da Organização dos Estados Americanos. Antes da investigação, Morales havia sido declarado vencedor no primeiro turno.

No entanto, seu herdeiro político, o economista Luis Arce, lidera com 26% as intenções de voto, seguido pelo direitista Luis Fernando Camacho e pelo ex-presidente do centro Carlos Mesa, ambos com 17%. Na quarta posição, a presidente interina Jeanine Áñez aparece com 12%, segundo pesquisa da empresa Mercados e Amostras, divulgada no domingo.

(Com AFP)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.