Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

EUA revelam rede global de lavagem de dinheiro da Coreia do Norte

Esquema movimentou 2,5 bilhões de dólares para financiar ilegalmente o programa de nuclear norte-coreano

Por Da Redação Atualizado em 29 Maio 2020, 13h17 - Publicado em 29 Maio 2020, 12h47

O governo dos Estados Unidos anunciou na quinta-feira 29 a abertura de processos contra 30 cidadãos da China e da Coreia do Norte por se valerem de uma rede clandestina global para direcionar ilegalmente mais de 2,5 bilhões de dólares ao programa de mísseis e nucleares norte-coreano. A decisão do Departamento de Justiça paralisa os esforços diplomáticos realizados pelo presidente americano, Donald Trump, que se reuniu várias vezes com o ditador, Kim Jong-Un, em conversas para a desnuclearização da península em troca da retiradas das sanções econômicas.

Os réus, de acordo com a acusação, atuaram com funcionários do Banco de Comércio Exterior da Coreia do Norte (FTB) e criaram mais de 250 empresas de fachada em diversos países, incluindo a Tailândia, a China e a Rússia, para processar pagamentos em dólares por meio do sistema financeiro dos Estados Unidos. O objetivo era financiar o programa nuclear da Coreia do Norte.

ASSINE VEJA

As consequências da imagem manchada do Brasil no exterior O isolamento do país aos olhos do mundo, o chefe do serviço paralelo de informação de Bolsonaro e mais. Leia nesta edição
Clique e Assine

“Os Estados Unidos enfatizam seu compromisso de alterar a capacidade da Coreia do Norte acessar ilegalmente o sistema financeiro dos Estados Unidos e limitar o uso dos benefícios dessas ações ilícitas para apoiar seu programa de armas de destruição em massa”, disse Michael R. Sherwin, procurador interino do Departamento de Justiça, em comunicado.

  • Nenhum dos réus está sob custódia das autoridades americanas. O governo dos Estados Unidos também disse que, por meio dessa rede clandestina, a Coreia do Norte tinha conseguido evitar as sanções econômicas impostas por Washington. O FTB está incluído na lista negra de instituições financeiras do Departamento do Tesouro americano desde 2013.

    (Com EFE)

    Continua após a publicidade
    Publicidade